Cidadeverde.com
Esporte

Santos é julgado culpado, e jogo com Independiente vira derrota por 3 a 0

Imprimir

Fotos: Ivan Storti/Santos FC

 

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS)

O Santos foi considerado culpado pela Conmebol pela escalação irregular de Carlos Sánchez contra o Independiente, pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores. A decisão foi anunciada nesta terça-feira (28), apesar de o julgamento ter começado na segunda-feira. Os advogados do clube paulista dizem que irão recorrer.

Com a decisão, o placar de 0 a 0 na partida de ida foi alterado para 3 a 0 para o Independiente. As duas equipes voltam a se enfrentar nesta terça-feira (28), às 19h, no Pacaembu. O Santos precisará de uma vitória por quatro gols de diferença para avançar na competição. Caso vença por 3 a 0, o jogo irá para os pênaltis.

A polêmica que levou o jogo para o tribunal aconteceu por causa de uma expulsão de Sánchez em 26 de novembro de 2015, na Copa Sul-Americana, quando ele atuava pelo River Plate. O jogador deixou o clube argentino e foi para o futebol mexicano, não cumprindo a suspensão automática em competições da Conmebol. Por isso, não poderia ter jogado no último dia 21.

O Santos escalou o jogador com base no sistema Comet, da Conmebol, que apontava Sánchez como apto para a partida. Os advogados santistas usaram o caso do Lanús na temporada passada, quando a Conmebol deu ganho de causa ao clube após acusação de escalação irregular de Lautaro Germán Acosta. Na ocasião, o Comet foi utilizado para mostrar que não havia problema na inclusão do atleta.

Outro ponto abortado foi o do River Plate. O Santos alegou à Conmebol que a entidade concedesse ao clube no "caso Sánchez" a mesma decisão que tomou envolvendo o jogador Bruno Zuculini, do time argentino. Neste caso, a entidade máxima do futebol sul-americano alegou falta de denúncia de adversários e não puniu o clube argentino por escalação irregular. Zuculini terá apenas que cumprir suspensão ainda nesta edição.

A diferença para o caso do Santos é que o River consultou a entidade por escrito sobre a condição de jogo do atleta. A organizadora da Libertadores reconheceu um "erro administrativo" no caso e absolveu a equipe argentina. O Santos não enviou ofício à Conmebol para saber se o jogador tinha alguma punição disciplinar antes de escalar Sánchez.

Mário Bittencourt, advogado contratado pelo Santos para o caso, já havia dito na última segunda-feira (28), ao SporTV, que o clube recorreria a instâncias superiores caso acontecesse uma decisão negativa para o clube paulista.

"Independentemente da decisão, cabe recurso na própria Conmebol e no TAS (Tribunal Arbitral do Esporte, na Suíça). Mesmo que saia um resultado amanhã (terça-feira), caberá ao Santos ou ao Independiente recorrer. O resultado pode não ser o definitivo", afirmou.

 

Imprimir