Cidadeverde.com
Cidades

Mãe que teve dois filhos mortos fala pela 1ª vez e denuncia tortura; assista

Imprimir

(Vídeo cedido pelo JC24horas)

"Quero saber que ele não vai sair mais não. Quero justiça para ele não sair da prisão". Esse é o desabafo de Joelma Pinto da Costa, mãe que teve os dois filhos pequenos assassinados na cidade de Brejo do Piauí, no interior do estado. O suspeito é o namorado dela com quem mantinha um relacionamento amoroso há dois anos. 

Por meio de um vídeo, a mãe classificou as mortes como uma tragédia e contou detalhes dos crimes. Ela diz que o filho foi torturado.

Exames cadavéricos confirmaram a versão da mãe e revelaram que o garoto de 11 anos morreu asfixiado por estrangulamento. Já a causa da morte da bebê, que também teria sido estuprada, foi por politraumatismo.

"Tragédia muito grande. Nunca pensei em passar por isso. Aconteceu tudo isso. Ele tirou a vida do meu filho de 11 anos e da minha filha de cinco meses. O de 11 anos matou enforcado, torturado. Ele matou torturado e depois pegou o cano e ficou batendo no pulmão dele. A de cinco meses, ele jogou no chão de cima da cama", disse a mãe bastante abalada em um vídeo gravado por um site local. 

 

(Foto: Reprodução/ JC24horas)

A avó das crianças, que não teve o nome divulgado, conta ainda que o neto foi encontrado com as mãos e pés amarrados.

"Quando eu cheguei lá, o rapaz mais velho tava morto no chão, amarrado as mãos e os pés e a criança estava jogada no chão. Eu peguei a criança e segurei. Já estava saindo sangue da boca e nariz. Ele ainda foi em cima e imprensou a criança", disse a avó. 


Pena por cada morte pode chegar a 30 anos

O caso é investigado pela Polícia Civil que deve concluir o inquérito policial em dez dias. O delegado Yan Brayner, responsável pela investigação, explica que o suspeito deverá responder por duplo homicídio qualificado e estupro de vulnerável, cuja pena prevista é de até 30 anos por cada morte. 

"A pena do homicídio é de 30 anos, mas o caso envolve duas qualificadoras. Uma dela é a  tortura. A outra é a morte da bebê que teria sido praticada para encobrir o estupro, ou seja, cometeu um crime para ocultar o outro. Com isso, a pena que seria de 6 a 20 anos, passa a ser de 12 a 30 anos", explica o delegado. 

Danilo Veras dos Santos nega as acusações. Ele foi ouvido na delegacia de Canto do Buriti e já foi transferido para o presídio de São Raimundo Nonato, também no interior do Piauí. 

(Foto: Divulgação / Polícia Civil do Piauí)

 

Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir