Cidadeverde.com
Geral

Engenheiro piauiense portador de ELA pede ajuda para tratamento

Imprimir

O engenheiro e agente de trânsito Edilberto Gomes de Oliveira, 40 anos, viu sua vida mudar há sete meses quando foi diagnosticado com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). A doença é neurodegenerativa e não tem cura. 

Para conviver com a ELA é preciso fazer tratamento com medicações caras e que não são comercializadas no Brasil, além de fisioterapia. Uma destas substâncias é a Ederavone , que ajuda a manter a atividade funcional do paciente e ameniza os sintomas da doença. 

Há dois anos Edilberto começou a sentir os sinais da ELA, como dormência nas mãos e fasciculação muscular, uma espécie de “tremedeira” nos músculos. O engenheiro achava que os sintomas estavam associados ao estresse e conta que sofreu um “baque emocional”  quando o diagnóstico da síndrome foi descoberto. 

Edilberto é casado e pai de três filhos. “Foi um baque muito forte e muita coisa mudou. Eu pensava que era estresse. Sentia fraqueza dos braços e não conseguia segurar meu filho”, relembra Edilberto. Para conseguir custear o tratamento, o engenheiro se uniu a um grupo de outros brasileiros portadores da ELA. Unidos eles tentar arrecadar dinheiro e dividir despesas para que um representante faça viagem internacional e consiga comprar a medicação. 

A esposa de Edilberto, Roberta Sena, conta que 6 meses de tratamento custa R$18 mil. A terapia da ELA tem que ser feita a vida toda e visa retardar o avanço das consequências da doença. 

Para arrecadar fundos, Edilberto e a família lançaram uma “vaquinha online”, bazar de roupas e farão, neste domingo (11), uma “feijoada do bem”. 

Acesse a vaquinha online e ajude 

A feijoada será a partir das 10h30, no clube dos subtenentes e sargentos da Polícia Militar, localizado na Avenida São Raimundo, zona Sul de Teresina. O ingresso custa 25 reais e dá direito, além do consumo a feijoada, a participação de um bingo de vários prêmios.  Mais informações sobre como ajudar o engenheiro devem ser buscadas nos celulares 86 9 9857-4153 ou 86 9 9991-9531. 

Quem quiser doar algum valor para o tratamento da doença deve depositar a quantia na conta Agência 3506-8 Conta 1092-8 Variação 51 Banco do Brasil em nome de Edilberto Gomes de Oliveira. 

 


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

Imprimir