Cidadeverde.com
Geral

Presença de um guarda por estação de ônibus é descartada; rondas serão reforçadas

Imprimir
  • reuniao_(1).jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • reuniao_(2).jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • reuniao_(3).jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • reuniao_(4).jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com

O policiamento ostensivo será reforçado nas imediações das estações de passageiros em Teresina após a onda de violência recente que vem assustando usuários do transporte coletivo. A medida foi anunciada durante coletiva com a cúpula da  Secretaria de Segurança Pública do Piauí (SSP-PI), nesta terça-feira (28). No entanto, a possibilidade de colocação de um guarda civil municipal nos pontos de ônibus foi considerada inviável. 

"Estamos nos reunindo para reforçar ainda mais essa atividade, cada um dentro da sua competência. A segurança pública é um dever do estado federado e aí entram a União, os estados e os municípios. Queremos aqui é unir esforços de integração. A ideia é que tenhamos patrulhamento nas áreas de maior risco. Diante desses últimos acontececimentos, estamos trazendo um reforço maior de atenção",  explica o coronel Rubens Pereira, secretário da SSP-PI. 

No último domingo (25) um estudante de Medicina foi assassinado logo após descer em uma das estações de passageiros na avenida Miguel Rosa, na zona Sul de Teresina. Além disso, há alguns meses, criminosos furtaram aparelhos de ar-condicionado de outra estação, situada na mesma via. Em Teresina existem, atualmente, 35 estações de passageiros e quatro terminais em funcionamento. 

A possibilidade de disponibilizar guardas civis municipais nas estações de passageiros foi descartada. O comandante da Guarda Civil Municipal (GCM), capitão Monteiro, frisa que rotineiramente equipes realizam o patrulhamento nos terminais e que isso também será estendido para as imediações das estações. 

"Não há condição de colocar um guarda em cada estação, nem a PM hoje tem efetivo pra isso. A alternativa é intensificar mais as rondas. Não há como acabar a violência, mas podemos diminuir. Você só consegue prender alguém ou apreender algo se forem feitas abordagens", frisa o capitão. A GCM é composta por 153 homens e mulheres, sendo que 40 atuam por dia. 

Na reunião ficou definido também que o patrulhamento ostensivo será intensificado nos horários de maior fluxo de passageiros. Abordagens a suspeitos também integram as ações para diminuir as ocorrências criminais.

"Devido a quantidade de paradas de ônibus, paradas e estações é impossível colocar um PM em cada local. Seria o ideal, mas não temos efetivo suficiente. O que vamos fazer é otimizar o policiamento. Fizemos um mapeamento e um planejamentos com as viaturas que estão nas ruas. Não é que a guarnição vai ficar parada nas estações, mas vai intensificar as rondas e fazer abordagens", disse o coronel Márcio Oliveira, comandante de operações especiais da PM-PI. 

O gerente de policiamento metropolitano, delegado Luccy Keiko Leal ressalta que a Polícia Civil do Piauí vai intensificar as investigações com base nas ocorrências registradas nos distritos policiais.

"Vamos pegar os BOs, instaurar os inquéritos e tentar identificar com a maior brevidade quem são os indivíduos que vêm atuando nas paradas de ônibus. São muitos roubos, mas quando se vai ver a autoria, descobre-se que é um grupo pequeno de indivíduos que se forem presos não vão cometer fatos mais graves como o caso do último latrocínio", ressalta o delegado.


Flash Graciane Sousa
redacao@cidadeverde.com

Imprimir