Cidadeverde.com
Esporte

Semana pós-Brasileiro terá reuniões para renovações de contratos no Cruzeiro

Imprimir

Com o fim do Brasileiro, a diretoria do Cruzeiro vai começar a semana tentando encaminhar algumas situações para a próxima temporada.

Nos próximos dias, Itair Machado, vice de futebol, terá uma reunião para dar continuidade às conversas sobre as renovações de Thiago Neves. As situações de Henrique e Fábio também deverão ser estudadas em breve.

No início de novembro, um encontro de Itair com Leandro Lima deu início às primeiras conversas para a renovação com Thiago Neves, hoje com 33 anos. O empresário do meia é o mesmo do volante Henrique, o que pode agilizar a situação do capitão. Ainda nesta semana, um novo encontro será agendado para discutir o assunto.

Apesar das conversas preliminares e novos encontros marcados para este final de ano, é possível que algumas dessas renovações só sejam oficializadas no início de 2019.

Como os jogadores têm contratos até dezembro da próxima temporada, o clube não vê urgência em assinar um novo vínculo já nas próximas semanas, já que a prioridade no momento é de fechar o ano com todos os débitos em dia.

Além de Thiago Neves e Henrique, o goleiro Fábio também deverá entrar em pauta. Em outubro de 2017, o ídolo da torcida renovou seu vínculo até dezembro de 2019.

Muitos acreditaram que aquele seria o último contrato de Fábio com o Cruzeiro, mas a possibilidade de estender a permanência por mais um ano, até dezembro de 2020, não está descartada. Se isso acontecer, Fábio terá 40 anos e irá ultrapassar a marca de 15 temporadas com a camisa celeste.

Outros jogadores também têm contrato até o final de 2019. O primeiro é Egídio, que voltou ao clube e foi titular durante toda a temporada.

Outra peça importante é Robinho, que ainda está na condição de empréstimo do Palmeiras, mas que deverá assinar com o Cruzeiro após o fim do vínculo.

Por fim, Rafinha e Rafael Sóbis também estão nessa lista, mas com menos chances de permanecerem por mais tempo. Pouco utilizado por Mano Menezes, Sóbis perdeu espaço e pode virar moeda de troca na janela de transferência.

ENRICO BRUNO
BELO HORIZONTE, MG (UOL/FOLHAPRESS) 

Imprimir