Cidadeverde.com
Política

Georgiano defende nome de consenso para Alepi e crê que disputa traz traumas

Imprimir

O deputado estadual Georgiano Neto (PSD) afirmou que o ideal é que haja um consenso em torno do nome para ocupar a presidência da Assembleia Legislativa do Piauí. Georgiano acredita que uma disputa acirrada traz “traumas” para o funcionamento da Casa e que apenas o governador Wellington Dias é capaz de conciliar, para que se chegue a um nome comum.

Georgiano destacou que tanto os que defendem a permanência do nome de Themístocles Filho, atual presidente da Alepi, quanto os que apostam na mudança e escolheram Hélio Isaias como a melhor opção, têm legitimidade em fazê-lo. Contudo, diz que um consenso seria o ideal. Quanto ao apoio do PSD, ele diz que o partido ainda está avaliando e esperando “ser procurado” para decidir o melhor quadro.

“Não tenha dúvidas, acho que um colegiado pequeno de apenas 30 membros, o ideal é a gente não ter disputa, porque quando a gente tem a Casa perde. Se disserem que não vai ter nenhum trauma, nós estaríamos com discurso demagógico. Claro que a disputa faz parte da democracia, é saudável, mas em um colegiado muito pequeno, não tem jeito de não ter alguma sequela pós eleição”, opinou o deputado.   

Ele acrescenta: “Estamos aguardando (O PSD) e esperamos ser procurados para poder fazer um juízo de valor e avaliar qual o melhor nome pra dirigir a Casa. 

O deputado crê que somente o governador, com sua habilidade, vai agir no tempo correto e pelo consenso. “No cenário que está hoje, só se constrói (um nome de consenso) com participação efetiva do governador”, avaliou. 

SDR 

As especulações continuam. obre a criação de uma secretaria ligada a área do Agronegócio, que possa acomodar o PT na nova gestão de Wellington Dias. A suposta secretaria iria dividir espaço ou mesmo ser repassada à direção do PSD, que hoje tem a indicação da SDR. Sobre a questão, Georgiano diz que o partido não tem interesse em dividir nenhum novo cargo, mas sim manter a SDR e que governador não comunicou nada ao partido em relação a criação da nova pasta. "Se existe proposta, ele não nos comunicou, mas de antemão o PSD não tem interesse nessa divisão”.

“Nós manifestamos o desejo do partido de vingar o secretário do SDR, porque é uma secretaria que tem uma vinculação muito forte com os ideais e atuação do nosso partido e com o próprio presidente, o deputado federal Júlio César [...] Sendo assim, é a nossa melhor forma de contribuir com nosso estado, é estando ligados ao setor da  agricultura, porque é o setor que está tirando o Piauí da crise e não tem motivo de haver essa divisão”.

 Foto: Catarina Malheiros/ Cidadeverde.com

Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com

 

Imprimir