Cidadeverde.com
Política

Dudu contesta Assis Carvalho sobre possível interferência na eleição da Alepi

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

O vereador Dudu, secretário de Finanças da Executiva Estadual do PT, repudia a possibilidade da executiva da sigla interferir na decisão dos deputados estaduais sobre a eleição da Assembleia Legislativa do Estado. 

Dudu afirma que a executiva não pode "passar por cima" da decisão dos deputados. Segundo ele, essa interferência só seria aceitável em casa excepcional. 

"Nunca vi a instância do partido passar por cima da instância de bancada. No PT temos instâncias deliberativas. A bancada é uma instância e tem autonomia de discutir o seu caminho. Só não, quando tem uma questão muito relevante para que ela possa destoar da estratégia da história do PT. Só aí poderia intervir. Na Assembleia temos lançadas duas candidaturas da base do governo. O próprio governador que é nosso grande condutor do processo eleitoral da condução política tem dito que vai buscar o entendimento na Assembleia. Espero que tenha também. O PT sempre torceu pelo consenso", afirmou.

Na disputa pela presidência, Dudu e Assis Carvalho estão em lados opostos. Dudu é próximo politicamente do presidente da Assembleia, deputado Themistocles Filho. Já  Assis, negocia com o Progressistas o apoio do PT ao nome do deputado Hélio Isaias (PP).

O vereador do PT diz que a bancada do partido tem autonomia. "No PT temos instâncias deliberativas. A bancada é uma instância. Ela tem autonomia de discutir o seu caminho. Só não quando há uma questão muito relevante para que possa destoar da estratégia do PT. Só assim a instância entra para intermediar ou discutir no caso da Assembleia Legislativa do Estado. Os cinco deputados estão discutindo e não necessidade de intervir. Os deputados é quem decide", afirmou.

Segundo ele, a interferência da executiva estadual do teria ocorrido uma única vez no Piauí.

"Acredito que houve uma situação assim quando o deputado Francisco Magalhães e a Flora Isabel disputaram uma posição na Mesa Diretora da Casa. Na época, ganhou o Magalhães. Como houve empate a executiva foi consultada e deu voto de minerva. Acho que não precisa disso agora. São cinco deputados. Não terá empate. Não faz sentido", afirmou.


Lídia Brito
redacao@cidadeverde.com

Imprimir