Cidadeverde.com
Esporte

Renovação blinda Dudu de assédio e tranquiliza planejamento do Palmeiras

Imprimir

A renovação do Palmeiras com Dudu até 2023, concretizada no último sábado (19), é um movimento que faz o clube avançar em duas frentes consideradas estratégicas para a temporada.

Ao mesmo tempo em que a nova assinatura blinda o atacante do assédio chinês e afasta especulações sobre seu futuro imediato, também dá à diretoria mais tranquilidade sobre o planejamento do elenco, com a segurança de que seu principal jogador permanecerá por pelo menos mais uma janela de transferências.

Com uma valorização salarial, o Palmeiras reforçou o discurso de que "faria de tudo" para manter o camisa 7, grande destaque da conquista do título brasileiro no ano passado. O clube vê como importante essa movimentação para deixar claro a Dudu que ele é o principal nome da equipe e que acertou ao ficar. 

No ano passado, o atacante chegou a manifestar insatisfação quando o clube negou uma proposta de 15 milhões de euros do Shandong Luneng, mas logo superou a chateação e brilhou em campo.

Ao aumentar também a multa rescisória de Dudu, que já era bem alta, o Palmeiras se protege ainda mais de um futuro interesse de equipes do exterior. Com isso, o clube consegue ter um controle maior sobre a situação do camisa 7 e eleva seu poder de barganha em possíveis negociações. 

No ano passado, um dos motivos citados para não vender Dudu no meio do ano foi justamente a impossibilidade de encontrar uma reposição à altura de forma imediata.

Outro ponto importante na renovação foi espantar qualquer possibilidade de insatisfação no vestiário com a contratação de Ricardo Goulart, que chegou ao Palmeiras com status de estrela. 

A diretoria, inclusive, chegou a conversar com alguns atletas sobre a situação, preocupada em manter o bom ambiente que se tornou uma das marcas da gestão do técnico Luiz Felipe Scolari.

A possibilidade de novas propostas por Dudu no meio do ano sempre existe, mas o Palmeiras repete a estratégia do ano passado, quando renovou em março com o jogador, aumentando seu salário e sua multa rescisória, após assédio da China em janeiro. 

Agora com mais cinco anos de vínculo, o atacante pode ficar com a cabeça tranquila e focada no campo. A estreia na temporada acontece neste domingo (20), contra o Red Bull, pelo Campeonato Paulista.

DANILO LAVIERI E LEANDRO MIRANDA
SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) 

Imprimir