Cidadeverde.com
Viver Bem

Power Yoga harmoniza força, equilíbrio, flexibilidade e concentração

Imprimir

Foto: Pixabay/ fotos gratis

Ela alia elementos como dinamismo, alinhamento perfeito do corpo e concentração. Estamos falando da Power Yoga. Apesar de ser uma atividade que exige bastante esforço físico, não é necessário que o praticante seja propriamente um atleta. A modalidade ficou conhecida por atrair pessoas que já praticam outras atividades físicas e querem incluir um pouco de harmonia no dia a dia.

Origem

A palavra yoga significa “união e equilíbrio”. A Power Yoga é uma variação da pratica tradicional, que se popularizou rapidamente no ocidente, pois uniu as necessidades dos interessados na prática milenar e os aspectos físicos do exercício, deixando de ser unicamente voltada para o lado espiritual.

Objetivo

Assim como os outros sistemas de Yoga (existem mais de 100 variações), a Power Yoga tem como objetivo promover o autoconhecimento por meio das posturas (asanas) e dos exercícios respiratórios (pranayamas). As duas são ferramentas utilizadas para trabalhar o corpo, do ponto de vista físico, ampliando a visão interior do indivíduo. No entanto, a ideia da atividade é deixar os movimentos tradicionais mais intensos, pedindo um maior esforço do corpo.

Aulas

Uma aula de Power Yoga tem uma duração média de 45 minutos a 1 hora. Ela começa com um momento chamado de equalização, que é quando o instrutor estabelece a sintonia com os alunos. Em seguida, dá-se início à fase de auto-observação, respiração consciente e aquietamento interior.

Após esse momento de relaxamento e conexão interior, a aula segue com a execução das posições que envolvem força, equilíbrio, flexibilidade e concentração. Vale destacar que cada um dos movimentos é apresentado e descrito pelo professor, seguindo uma cronologia lógica e respeitando o limite físico e o tempo de cada aluno.

Ao final da aula, há um momento chamado de Yoga Nidra, no qual os alunos passam por um processo de relaxamento profundo por, aproximadamente, 10 minutos.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir