Cidadeverde.com
Geral

Parque Rodoviário: proprietário de terreno pode ser indiciado por homicídio culposo

Imprimir
  • DJI_0022.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0021.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0020.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0019.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0017.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0016.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0013.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0012.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0009.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0008.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0006.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0005.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • DJI_0004.jpg Edenilton Filho/Drone Cidade Verde
  • 0509.jpg Roberta Aline
  • 0508.jpg Roberta Aline
  • 0507.jpg Roberta Aline
  • 0506.jpg Roberta Aline
  • 0505.jpg Roberta Aline
  • 0504.jpg Roberta Aline
  • 0503.jpg Roberta Aline
  • 0502.jpg Roberta Aline
  • 0501.jpg Roberta Aline

Quase 20 dias após a tragédia que atingiu várias famílias e matou duas pessoas no Parque Rodoviário, zona Sul de Teresina, o proprietário do terreno onde a água acumulou e rompeu o muro ainda é desconhecido. O 10º Distrito Policial abriu inquérito para apurar quem é o responsável pela propriedade.

Nos últimos dias a Polícia Civil começou a colher depoimentos de moradores, vítimas e familiares das duas pessoas mortas na tragédia. Nesta semana, novas oitivas serão feitas dentre elas, com os supostos responsáveis pelo terreno. 

O delegado Flávio Rangel informou que, se for confirmado que a propriedade é de pessoa física, o proprietário deve ser indiciado por homicídio culposo, sem intenção de matar. No entanto, o que se tem até agora sobre a identidade do dono são apenas especulações.

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Moradores da região afirmam que o terreno seria de uma empresa de telefonia e no local funcionava um clube. No dia da tragédia do prefeito de Teresina, Firmino Filho,prometeu apuração firme para apontar os responsáveis pela enxurrada.

A Polícia Civil vai intimar os responsáveis pela empresa e ouvi-los. “A expectativa é que até o final dessa semana essa fase de oitivas seja concluída”, disse o delegado Flávio Rangel.

Caso a propriedade seja de uma empresa, o Ministério Público deve ingressar com ação contra os responsáveis.

O inquérito que apura a tragédia no Parque Rodoviário tem prazo de 30 dias para ser concluído, podendo ser prorrogado.


Izabella Pimentel
[email protected] 

Imprimir