Cidadeverde.com
Esporte

Arbitragem, Liziero e atacante de referência tiram sono do São Paulo

Imprimir

O São Paulo quer fechar a primeira metade da temporada entre os primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, com a vaga para as quartas de final da Copa do Brasil e com um elenco forte. Para atingir tais objetivos, o departamento de futebol sabe quais obstáculos terá de superar. 

A lista é encabeçada pelo sofrimento com os supostos erros de arbitragem, pelas lesões de Liziero e pela disputa no mercado da bola para encontrar um atacante de referência.

No empate por 0 a 0 com o Bahia, neste domingo (19), no Morumbi, tais pontos saltaram aos olhos dos tricolores. O clube reclama da expulsão de Toró, após disputa de bola com o goleiro adversário e a análise das imagens feita pelo juiz Daniel Nobre Bins. 

Por outro lado, a equipe sentiu a falta de Liziero, que deixou o gramado no início do primeiro tempo após levar um pisão no tornozelo direito.

Para completar, Cuca lamentou o fato de o time não ter um centroavante de ofício para mudar a cara da equipe, sendo que a diretoria já estuda a chegada de um reforço para o setor.

"Eu tirei o Pato porque precisávamos de uma velocidade maior naquele setor, mais referência. O Pato não estava conseguindo fazer isso, nem o Hernanes, vindo de trás como meia. Não estava encaixando, então a saída foi essa. Ele saiu por opção minha", explicou Cuca.

"Não seria ideal eu falar o que precisa e o que não precisa. Já estamos tristes com o resultado, se o comandante fala o que é necessário, não é o justo. Estamos trabalhando internamente, podemos e devemos melhorar nossa equipe pro segundo semestre. Estou satisfeito com o que a gente tem, não com a partida", completou Cuca.

MEDO DE PERDER LIZIERO

O volante, que deixou o Morumbi chorando, vai ser submetido ao exame médico hoje. O jogador sofreu lesão na mesma região em janeiro, em partida contra o Guarani, e desfalcou a equipe por dez partidas.

HERNANES

No jogo, a torcida também se assustou quando Hernanes deslocou o dedo da mão e precisou ser atendido.

JOSÉ EDUARDO MARTINS
SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) 

Imprimir