Cidadeverde.com
Esporte

Noruega vence a Austrália nos pênaltis e vai às quartas do Mundial Feminino

Imprimir

A Noruega é a segunda seleção garantida nas quartas de final do Mundial Feminino. Com drama e tensão, as norueguesas derrotaram a Austrália nos pênaltis, depois de empatar por 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação da partida, em Nice, e carimbaram a vaga para a próxima fase torneio disputado na França.

O adversário das norueguesas nas quartas de final será Inglaterra ou Camarões, que se enfrentam neste domingo, às 12h30 (de Brasília), em Valenciennes. O duelo da próxima fase está marcado para a próxima quinta-feira, às 16 horas, em Le Havre. Algoz do Brasil na primeira fase, a Austrália dá adeus à competição. A Alemanha, que venceu a Nigéria por 3 a 0 mais cedo, é a outra equipe já garantida na próxima fase.

A seleção da Noruega busca o bicampeonato mundial. O time escandinavo foi campeão em 1995, na Suécia. Apesar de ter tradição na principal competição do futebol feminino, a equipe europeia, que também foi vice-campeã em 1991, na primeira edição do torneio, disputado na China, não está entre as principais favoritas ao título e ocupa a 12.ª posição no ranking da Fifa.

A Noruega foi melhor em boa parte do jogo. Comandou as ações no primeiro tempo e abriu o placar com a centroavante Herlovsen, aos 31 minutos do primeiro tempo. Ela recebeu passe em profundidade e tocou na saída da goleira para marcar.

Na etapa final, as australianas foram para cima e criaram várias oportunidades até empatar. Kerr marcou aos 13 minutos, mas não valeu, pois ela estava impedida e o árbitro de vídeo (VAR) anulou o tento. O gol saiu de um lance fortuito, aos 38, quando Kellond-Knigth cobrou escanteio da esquerda com curva e a bola entrou sem tocar em ninguém.

Na prorrogação, a expulsão de Kennedy deixou a Noruega com uma jogadora a mais, mas a vantagem numérica não foi aproveitada e o empate persistiu. Nos pênaltis, as norueguesas foram perfeitas ao converterem suas quatro cobranças e verem as australianas errarem duas batidas, com Kerr e Gielnik.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir