Cidadeverde.com
Esporte

Como a desistência do Fluminense deve servir para o futuro

Imprimir

Como já escrevemos, a segunda divisão do Campeonato Piauiense de Futebol até que estava chamando as atenções dos esportistas. Havia uma certo crédito em relação à possibilidade de sucesso. 

Foto - Eduardo Frota - Cidadeverde.com - Arquivo - Campeonato Piauiense

Cinco agremiações piauienses representando cidades como Teresina, Picos, Floriano, Oeiras e Campo Maior estariam na disputa das duas vagas para a Série A de 2019. Na hora definitiva para confirmar a competição com aprovação do regulamento e da tabela, houve o retrocesso.

O Fluminense, quando tudo parecia OK, declarou a sua desistência, alegando que: o regulamento é inaceitável. Afinal, reforçou o presidente do tricolor, empresário João Vicente Claudino, como formar um grupo de profissionais( jogadores e comissão técnica) para jogar algumas partidas em tempou pouco superior a um mês ? 

E ainda lamentou que sejam aceitos clubes sem  terem os seus estádios devidamente aprovados, com a expedição de alvarás.

As justificações do Fluminense são consistentes e devem servir para que situações iguais não se repitam em futuras competições. Embora seja difícil definir regulamento e tabela sem o conhecimento dos possíves participantes, deve ser feito um esforço para ficar perto do ideal. 

E o ideal é que os pretendentes tenham o conhecimento desses detalhes bem antes de se apresentarem com os pedidos de inscrições. Aí cada um tomaria sua decisão sabendo que obrigações virão pela frente.

E é bom lembrar que ao longo dos anos tem ficado claro que alguns "dirigentes" querem o seu clube no Campeonato Piauiense, não importando como. E não faltam aqueles que têm como objetivo ganhar dinheiro, tirar alguma vantagem financeira pessoal. 

Aí é péssimo para o futebol. Todos nós sabemos que montar um clube com futebol profissional é tarefa para poucos, é tarefa difícil. Os custos são elevados. A entrada sem a necessária cobertura financeira resulta em desastre e com consequências graves.

Dentro do futebol profissional não há lugar para amadores. Nas temporadas mais recentes tivemos acontecimentos lamentáveis que jogaram o futebol piauiense na lata do lixo. E tudo teve repercussão nacional.

Dídimo de Castro
[email protected]

Imprimir