Cidadeverde.com
Esporte

Figueirense solta nota e diz ter quitado salários de funcionários e da base

Imprimir

A torcida do Atlético-MG não tem mais a mesma paciência com antigos xodós. Depois de Luan sofrer com vaias, foi a vez de Juan Cazares passar por algo semelhante. O camisa 10 foi alvo do público no triunfo por 2 a 1 sobre o Deportivo La Equidad, da Colômbia, na noite da última terça-feira (20).

O equatoriano perdeu um pênalti aos 21 minutos do segundo tempo e, logo no toque seguinte na bola, recebeu vaias vindas das arquibancadas do Independência. No mesmo momento, outra parte da torcida passou a aplaudir o meia-atacante com o intuito de animá-lo.

A situação é bem semelhante à de Luan, que passou a conviver com vaias após perder um pênalti durante o empate por 2 a 2 com o Fortaleza na Arena Independência. Na ocasião, o meia-atacante foi vaiado pelo torcedor por desperdiçar a penalidade.

Desde então, ele se tornou presença cada vez menos frequente no time de Rodrigo Santana. A princípio, Cazares não dá sinais de que deixará o time. Pelo contrário, o equatoriano mantém prestígio com a comissão técnica.

Titular absoluto do Atlético de Rodrigo Santana, Juan Cazares trata com normalidade as críticas durante o jogo válido pela ida das quartas de final da Copa Sul-Americana.

"Isso faz parte, a torcida sempre fica chateada quando a gente erra um pênalti, perde um gol. Mas a gente já está acostumado, a gente é profissional. Temos que estar tranquilos para que, no próximo jogo, estejamos ainda melhores", disse.

O equatoriano ainda não havia recebido críticas dessa forma após a mudança de treinador. No decorrer da passagem de Rodrigo Santana, ele sempre gozou de prestígio com os torcedores.

Juan Cazares briga pela artilharia do time com Vinícius após a disputa da Copa América 2019. Ele fez três gols neste período, um a menos que o colega de meio-campo. O dono da camisa 10 não dá assistências desde o triunfo por 2 a 1 sobre o Santos, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

THIAGO FERNANDES
BELO HORIZONTE, MG (UOL/FOLHAPRESS) 

Imprimir