Cidadeverde.com
Esporte

Seleção feminina de vôlei é atropelada pelos EUA e cai para 6º na Copa do Mundo

Imprimir

Foto: FIVB

O inédito título da Copa do Mundo ficou mais distante para a seleção brasileira feminina de vôlei. Nesta quinta-feira, pela quinta rodada da competição que está sendo realizada no Japão, o time comandado pelo técnico José Roberto Guimarães foi atropelado pelos Estados Unidos por 3 sets a 0 - com parciais de 25/22, 25/18 e 25/19 -, na cidade de Hamamatsu, e caiu para a sexta colocação na tabela de classificação, bem distante da liderança.

A primeira colocação da Copa do Mundo, que é disputada em pontos corridos após 11 rodadas, está com a China e os Estados Unidos. Ambos estão com cinco vitórias por 3 sets a 0 ou 3 a 1 em cinco jogos, somando 15 pontos cada. Nos critérios de desempate, as chinesas levam vantagem no set average. O Brasil, com três triunfos (dois por 3 a 0 e um por 3 a 2) e duas derrotas, tem oito e fica atrás ainda de Rússia, Holanda (ambas com 10) e Sérvia (com nove).

A partida contra os Estados Unidos foi a despedida da seleção brasileira da cidade de Hamamatsu. Neste domingo, pela sexta rodada, o time nacional já estará em Sapporo para enfrentar a líder China, a partir das 3 horas (de Brasília). Na sequência, enfrentará República Dominicana e Japão no mesmo local. Em Osaka, os últimos três jogos na Copa do Mundo serão contra Camarões, Coreia do Sul e Rússia.

Essa foi a segunda derrota do Brasil para os Estados Unidos em 2019, uma vez que as norte-americanas ganharam o bi na Liga das Nações no início da temporada com uma vitória por 3 sets a 2 na final da competição realizada na China.

As maiores pontuadoras do jogo desta quinta-feira foram a ponteira Kelsey Robinson e a oposta Andrea Drews com 15 e 14 acertos, respectivamente. Pelo lado brasileiro, os destaques foram Gabi e Drussyla com 12 pontos cada.

A equipe brasileira começou jogando com Gabi, Bia, Drussyla, Lorenne, Fabiana, Macris e a líbero Camila Brait. Durante a partida entraram Sheilla, Roberta, Amanda e Mara.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir