Cidadeverde.com
Geral

Taxista deixa de atender por aplicativo após ser assaltado por grupo armado

Imprimir

Foto: Enviada ao Cidadeverde.com

Carro do taxista.

O taxista Raimundo, que não quis identificar seu sobrenome, relatou ter sido vítima de assalto na mesma noite em que um outro taxista foi espancado e esfaqueado na zona Norte de Teresina. Segundo o motorista, quatro homens anunciaram o assalto por volta das 1h30 da segunda-feira (15) na Praça do Marquês após uma solicitação via aplicativo.

O taxista pegou os quatro suspeitos na Rua Santa Helena, no Bairro Nova Brasília, minutos antes dos passageiros anunciaram o assalto nas proximidades da Praça do Mafrense, próximo ao Camarão do Gilvan, também na zona Norte. 

Os criminosos levaram dois aparelhos celulares, uma máquina de cartão de crédito e a carteira do taxista contendo sua documentação. O carro não foi levado e a vítima registrou boletim de ocorrência no 7° Distrito Policial.

“Eles pediram a corrida pelo aplicativo. Entraram no táxi, não falaram nada, só quando anunciaram o assalto. Me xingaram e me bateram com um revólver na minha orelha, puxaram minha camisa”, relatou o motorista.

Após praticarem o assalto, os quatro suspeitos fugiram à pés.

Raimundo reclamou da demora no aplicativo em dar um retorno sobre o ocorrido. “Já reportei para a central e nunca me responderam. Eu não estou mais fazendo corrida por aplicativo, porque até agora não mostraram preocupação com o que aconteceu”.

Abatido, o taxista disse já ter voltado à sua rotina. “Quem trabalha com isso sabe dos riscos. Tenho uma filha, a família fica preocupada, mas a gente precisa trabalhar”, disse.

'Cheiro do queijo'

Pedro Ferreira, presidente da Associação dos Taxistas do Piauí- Piauí Táxi, conta que, na maioria dos casos, os taxistas são atraídos para o chamado "cheiro do queijo". Os motoristas chegam ao local da corrida e são surpreendidos por assaltantes.

"A maioria dos taxistas não denuncia porque não vê uma linha de investigação. Esses assaltos estão acontecendo com frequência", conta Pedro. 

 

Valmir Macêdo
valmirmacedo@cidadeverde.com

Imprimir