Cidadeverde.com
Últimas

Aposentada morre após ser vítima de assalto e infartar na zona Sul

Imprimir

Atualizada às 16h42

A aposentada Teresinha de Jesus Lima Pereira, de 58 anos, sofreu um infarto e faleceu após ser vítima de assalto no bairro Lourival Parente, na zona Sul de Teresina, na manhã desta quinta (21).  Ela estava na companhia de uma amiga em via pública, a 200 metros de onde reside, quando o assaltante surpreendeu as duas na rua em uma moto preta. O caso ocorreu por volta das 8h30 desta quinta (21).. 

 O filho da aposentada, Emiliano Lima, informou ao Cidadeverde.com que ela passou recentemente por um cateterismo e uma angioplastia. Ela fez os procedimentos na segunda (18) e teve alta médica na terça (19).O capitão Fábio Soares, coordenador de policiamento do 6º BPM, disse que a Polícia Militar foi acionada por volta das 10h30. 

"Ela mora na mesma rua em que foi abordada com a amiga pelo assaltante. Ele pediu pelo celular e ela, que estava com o celular da amiga para fazer uma ligação, entregou. Esse assaltante chegou colocando a mão na cintura, como se fosse sacar uma arma ou um simulacro, mas não chegou a mostrar. Elas ficaram nervosas com a situação", disse o capitão.

A família relatou ao Cidadeverde.com que foi orientada a chamar uma funerária porque a aposentada teria morrido de causa natural. No desespero, chamou sem acionar primeiramente a Polícia Militar. Quando a PM foi acionada e chegou ao local, o corpo já tinha sido levado pela funerária ao necrotério do Hospital Getúlio Vargas.

Uma vizinha que ajudou a socorrer dona Teressina, que preferiu não se identificar, disse que acionaram primeiro o SAMU para salvá-la. "Primeiro chegou a equipe da moto, que ficou tentando reanimar ela, depois chegou a ambulância, mas ela não resistiu". 

A Polícia Militar relatou que o suspeito estava com uma jaqueta jeans, com idade entre 40 e 50 anos, estava sozinho em uma moto preta. Qualquer informação, a população pode entrar em contato pelo 190. 

 

Latrocínio

O coordenador do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHP), delegado Francisco Costa Barêtta, relatou que até o momento não foi comunicado oficialmente sobre o ocorrido. No entanto, ele disse que o suspeito poderá responder pelo crime de latrocínio, que é o roubo seguido de morte. O delegado ressaltou que  o corpo precisa passar por um exame cadavérico com um médico legista para constatar que o infarto decorreu da violência sofrida. 

"Ele poderá responder por latrocínio se for constatado que a morte foi em decorrência da violência, caso seja comprovado o nexo de causalidade. O objetivo dele era subtrair o patrimônio, mas tamanha foi a violência que ele empregou,  mesmo não atirando, que fez com que a vítima viesse a morrer". Em casos de assalto seguido de morte, as equipes da DHPP, Perícia Criminal e IML precisam ser acionados, acrescentou o delegado.  

Triste e revoltado com a morte da mãe, o filho Emiliano pede por mais segurança e policiamento no bairro. Ele afirmou que vai procurar por Justiça e acionar o DHPP para que o suspeito seja identificado e responda pelo crime, sendo compravado o latrocínio.

"A minha mãe saiu pra caminhadinha dela. Ela foi sem o celular dela. Quando encontrou essa amiga, pediu o celular para ligar aqui pra casa e chamar alguém. Nessa hora, o assaltante já chegou. Ela ficou muito nervosa e começou a passar mal. Eu estava no meio trabalho e agora perdi a minha mãe. Se foi mesmo latrocínio como agora estão me explicando, que na hora foi muito nervosismo e já tivemos que ir atrás da funerária. A socidade precisa de mais segurança. Eu perdi a minha mãe. Quantas mães, pais, filhos vão morrer vítimas da criminalidade? Fica o meu pedido por mais segurança".

Um boletim de ocorrência já foi registrado pelo roubo do celular. 


Velório da vítima acontece na mesma rua onde o assalto foi registrado. Foto: Yasmim Cunha

Carlienne Carpaso
[email protected]

Imprimir