Cidadeverde.com
Geral

Residências de classe média alta são alvo de operação contra pornografia no Piauí

Imprimir

Foto: Ministério da Justiça/Divulgação

A Polícia Civil informou que os três mandados de busca e apreensão contra a Pedofilia foram cumpridas em residências de classe média alta em Parnaíba, litoral do estado. 

O Ministério da Justiça informou que ao todo são 112 mandados de busca e apreensão sendo cumpridos nesta terça-feira (18). São arquivos com conteúdo relacionado aos crimes de exploração sexual praticados contra crianças e adolescentes. Um professor de colégio de elite de São Paulo foi preso suspeito de produzir e armazenar pornografia infantil. O homem teria captado imagens das genitálias de meninas menores de idade em sala de aula, vestindo a saia do uniforme escolar, por meio câmeras camufladas em caixas de medicamento. De acordo com a Polícia Civil, o professor de história e de teatro foi autuado em flagrante em sua casa. Ele leciona há 20 anos.

No Piauí, foram apreendidos roteadores de internet, modem, HD, computadores de suspeitos. 

O delegado de Repressão aos Crimes de Informática, Anchieta Nery, que comanda a operação Luz da Infância no Piauí, disse que a identificação dos suspeitos dificulta porque os moradores compartilham a rede de wi-fi e fornecem senhas para vizinhos e estranhos. 

"É preciso fazer uma investigação mais trabalhosa para não prender o suspeito errado. Fizemos apreensões em residências de pessoas de boa condição em residências de classe média alta", disse o delegado. 

A maioria dos suspeitos de pedofilia no Piauí é de pessoas que armazenam pornografia infantil e compartilham na rede. 

"A pessoa comete dois crimes, o de armazenamento e compartilhamento. São arquivos que rodam o mundo", disse. 

O objetivo é combater a pornografia infantil e a exploração sexual de crianças e adolescentes.

A operação foi executada nos estados de Alagoas, Acre, Ceará, Rio de Janeiro, Goiás, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí e Santa Catarina. No exterior, agências de aplicação da lei da Colômbia, Estados Unidos, Paraguai e Panamá também fazem parte da intervenção.

O  coordenador do Laboratório de Inteligência Cibernética do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Alessandro Barreto, informou que 38 prisões em flagrante já ocorreram hoje.

 

 

Flash Yala Sena
[email protected]

Imprimir