Cidadeverde.com
Entretenimento

‘O povo brasileiro me tirou da depressão’, diz Susana Vieira

Imprimir
Susana Vieira é sempre surpreendente. E em entrevista ao jornal carioca “Meia Hora” que chegou às bancas neste domingo, 1, ela não nega essa característica. No papo, ela fala sobre os preparativos para o carnaval, conta como se livrou da depressão ao se separar de Marcelo Silva e fala em novos amores. Confira os melhores trechos!
 

Isac Luz/Globo.com

Susana Vieira: orações do povo brasileiro ajudou a atriz


Depressão
Acho que só tive dois momentos dramáticos na minha vida, ultimamente. Quero agradecer ao povo brasileiro pelas orações. Várias pessoas me mandaram orações e cartas. Tenho que agradecer ao povo brasileiro, que me tirou da depressão, da tristeza, e por ter me trazido à vida em tão pouco tempo. Só espero que mais ninguém mau se aproxime do meu corpo e da minha mente.

Paquera
Coração sempre aberto vive mais tempo, esse é o meu lema de vida. Sempre fui apaixonada e sempre teve gente apaixonada por mim. Estou numa fase de recessão momentânea. Não trago traumas no meu coração. Mas paquero muito e me paqueram também, dizem que sou bonita, que estou gostosa.

Carnaval
Esse ano não ia de fantasia, queria sair de terninho, acho que as pessoas se divertem mais. Mas quando Jayder (Soares, presidente de honra da escola) me disse: ‘O seu lugar seria do Sol, a luz máxima, a luz suprema. Se você não for, ninguém vai usar sua fantasia’. Aí, ele me seduziu.

Plástica
Cremes eu uso todos, passo tudo o que você possa imaginar. Viajo e trago todos os cremes mais caros do mundo. De vez em quando, faço retoques de plástica com o doutor Ivo Pitanguy, que é meu mestre, só faço com ele, não vou colocar minha cara na mão de ninguém a não ser na dele.

Beijo na TV
Eu beijo muito o José Wilker, mas a gente já é irmão. A gente já está treinado. Acho que o melhor beijo ainda foi o do Tarcísio Meira, em ‘A Escalada’ (1975). Ele é muito charmoso. O beijo mudou hoje em dia. Não vejo necessidade de tanto realismo. O que passa para o público não tem necessidade de tantos detalhes que há na vida real. Quando você tem liga com o ator, o que chamam de química, não precisa ficar se esfregando com aquela baba aparecendo na boca.

Susana na van
Dizem que sou arrogante, mas tenho uma empatia com o público. Isso é que faz a minha vida ser feliz. Eu gosto do contato, isso que me faz crescer, ser alguém. Falo com o povão. Outro dia fui assistir a um DJ na Rocinha, subi de van e depois tive que descer a pé, aí desci com os moradores. No dia seguinte, fui a uma farmácia e uma mulher disse: ‘Meu marido falou que a senhora tomou a van dele e cobrou o dinheiro de todo mundo’. Fiquei de bilheteira da van. Eu desci a ladeira da Rocinha às 4h, não tenho medo do povo. O povo brasileiro só me dá amor. Não tenho medo de andar no Rio.
 
 
 
Fonte: Ego
Tags:
Imprimir