Cidadeverde.com
Política

Fábio Abreu reforça candidatura e avalia decreto como “autoritarismo”

Imprimir

Apontado como candidato à prefeito de Teresina pelo PL, o deputado federal e ex-secretário de Segurança, Fábio Abreu, reafirmou sua disponibilidade para compor a chapa majoritária nas eleições da capital em 2020. Em entrevista ao Jornal do Piauí nesta terça-feira (7), Abreu criticou as ações restritivas da prefeitura e avaliou as medidas como “autoritárias”.

“O grande problema nesse processo é o fato de você, como gestor, não ouvir. Se observar, por exemplo, nós não sabemos quem é o secretário de saúde do município. Isso não significa que não tem equipe, significa que todas as decisões são tomadas individualmente”, disse.

Fabio Abreu assinalou que deveria haver maior diálogo no decorrer do período de isolamento que já chega a quase 100 dias de restrições. “Determinadas ações que, do meu ponto de vista, são muito autoritárias e que elas poderiam ser repensadas, divididas com a população”, completou o deputado.

Para Fábio Abreu, a próxima gestão do município tem que ser focada na necessidade da retomada da economia com a retomada dos empregos. Ele lamentou que o fechamento de empresas em Teresina e disse que o problema é anterior à pandemia.

“A maioria das empresas que hoje estão fechadas por ordem de decreto, elas infelizmente estarão fechadas por terem quebrado. Isso é um outro desafio trazer essas empresas de volta para o mercado”, afirmou.

Para o pré-candidato, 2021 será um ano que ainda exigirá problemas com a saúde, além das demandas econômicas. Abreu defendeu ainda maior flexibilidade nos recursos entre as pastas, podendo haver destinação de recursos para áreas afins como saúde e esportes. “Não podemos criar ilhas entre as secretarias”, disse.

Fábio Abreu disse que inicialmente apoiou uma ação mais incisiva das forças policiais na fiscalização dos decretos mas que o momento já pede um diálogo maior com a população.

Aliança das forças ligadas ao Karnak

O ex-secretário avalia como positiva uma aliança entre as forças mais próximas ao Palácio de Karnak, mas não nega a consolidação do seu nome dentro do partido para compor a chapa majoritária. O partido do governador Wellington Dias (PT) trabalha com o nome do secretário Fábio Novo.

“O que é mais importante nesse processo é que qualquer prefeito, que for eleito, ele tem que ter relações com o governo do Estado, ele tem que ter relações com a presidência da República”, assinalou Fábio Abreu.

O deputado ainda afirmou que o PL está dialogando com siglas como o Solidariedade, PMN, Republicados, PSD e PTB. “Daquilo que a gente tiver como proposta, se eles quiserem somar para que a gente enfrente a dificuldade dos desafios da próxima gestão, como (as dificuldades) do grupo que jamais quer deixar o poder diante de tanto tempo que estão aí”, criticou Fábio Abreu.

Valmir Macêdo
[email protected]

Imprimir