Cidadeverde.com
Esporte

Willian deixa o Chelsea e acerta contrato por três temporadas com o Arsenal

Imprimir

O atacante Willian está de casa nova na Inglaterra. O brasileiro continuará morando em Londres, mas jogará agora em um outro clube da cidade. Nesta sexta-feira, o Arsenal anunciou a contratação a custo zero do atleta de 32 anos, que encerrou o contrato com o Chelsea, onde estava desde 2013, e assinou pelas próximas três temporadas.

Na última temporada, Willian disputou 47 partidas pelo Chelsea, com 11 gols marcados e nove assistências. Mas o clube não ofereceu ao jogador os três anos de contrato que ele desejava e, assim, o acerto com o Arsenal foi feito.

"Agora chegou o momento de ir embora. Tenho certeza que vou sentir falta dos meus companheiros, dos torcedores e de todos os funcionários do clube, que sempre me trataram como um filho", escreveu Willian em uma postagem na sua conta do Instagram.

Nos sete anos em que defendeu o Chelsea, Willian atuou em 339 partidas, anotando 63 gols e distribuindo 56 assistências. Pelo clube de Stamford Bridge conquistou duas edições do Campeonato Inglês, uma da Liga Europa, uma da Copa da Inglaterra e outra da Copa da Liga Inglesa.

O atacante brasileiro, que vai vestir a camisa 12 no novo time, disse que está ansioso para disputar o seu primeiro jogo no Emirates Stadium. Willian é o terceiro brasileiro no elenco do Arsenal. Ele se junta a David Luiz e Gabriel Martinelli.

"Acredito que ele seja um jogador que possa fazer a diferença para nós", afirmou Mikel Arteta, novo treinador de Willian. "Ele é um jogador que nos dá muita versatilidade, podendo jogar em três ou quatro posições diferentes. Ele já experimentou de tudo no futebol mundial, mas ainda tem a ambição de vir (para Arsenal) e contribuir para colocar o clube no seu devido lugar", completou.

Willian, que começou a carreira no Corinthians, disputou 70 partidas pela seleção brasileira e foi convocado para as Copas do Mundo de 2014, no Brasil, e 2018, na Rússia. Até o momento conquistou o título da Copa América de 2019, também em solo brasileiro.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir