Cidadeverde.com
Entretenimento

Músico australiano reclama do uso de sua composição em vídeo de Mario Frias

Imprimir

Foto: Reprodução
O secretário especial da Cultura aparece na websérie "Um povo heroico", criada pelo governo federal 

O compositor Scott Buckley foi ao Twitter na última sexta (4) para reclamar do uso de uma música sua no vídeo "Um Povo Heroico", que dá início a uma série da Secretaria de Comunicação (Secom) sobre a história do Brasil. A produção audiovisual é apresentada por Mario Frias, secretário especial da Cultura do governo Bolsonaro.

Buckley reagiu ao uso da canção "Ômega", disponível em seu site, no vídeo de Frias. Ele foi alertado no Twitter por um usuário brasileiro, que perguntou em inglês se ele estava recebendo ou se tinha autorizado o uso da música pelo governo de "extrema-direita" do Brasil.

"Não é necessário pagamento para este uso [da música]", disse o artista na rede social. "Eles só pegaram e usaram. Definitivamente, não apoio as visões políticas deles, e nem quero seu dinheiro. Essa é uma das desvantagens de lançar minha música de graça."

O brasileiro ainda sugeriu a Buckley que mandasse solicitações de retirada do vídeo ao Twitter e ao YouTube, onde foi publicado. O australiano respondeu dizendo que já as enviou.

Buckley disponibiliza suas músicas para uso livre, sob a licenca de Creative Commons. "Seu uso é gratuito para qualquer tipo de projeto –incluindo os comerciais– desde que eu seja creditado", diz o site.

Na manhã desta segunda (7), a conta da Secom no Twitter publicou uma mensagem dizendo: "Trilha sonora de Scott Buckley". No vídeo, não há nenhuma menção ao autor da faixa.

Publicado na noite desta quinta (3), o vídeo traz imagens do Museu do Senado, onde Mario Frias interage com obras do acervo da casa legislativa, como o quadro "Ato de Assinatura do Projeto da 1ª Constituição", de Gustavo Hastoy, e "Retrato do Rei Alberto da Bélgica", do pintor belga Adrien Jean Madyol.

Segundo o texto que o acompanha, a história do Brasil é "tão bela e grandiosa quanto desprezada e vilipendiada por anos de destruição da identidade nacional". "Eu falo 'a gente' porque eu conheço a nossa gente e são essas pessoas que não fogem à luta e habitam todos os rincões do nosso país", diz o secretário da Cultura, enquanto o vídeo o mostra olhando fixamente para um busto da princesa Isabel, escultura de Gilberto Mandarino.

O vídeo reúne elementos que lembram as produções da Brasil Paralelo, mas a produtora gaúcha afirma não ter nenhuma relação com a série. A música de Buckley compõe a trilha sonora épica do vídeo.

 

Fonte: Folhapress

Imprimir