Cidadeverde.com
Esporte

Série A: Athletico-PR vence Goiás por 1 a 0 e deixa a zona de rebaixamento

Imprimir

O Athletico-PR vai passar o final de semana fora da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Na tarde deste sábado, o time paranaense deixou a degola após derrotar o Goiás, por 1 a 0, no Estádio da Serrinha, em Goiânia, pela 21ª rodada. O único gol da partida foi marcado por Renato Kayser.

O Athletico-PR chegou aos 22 pontos e alcançou o 16º lugar, empurrando o rival Coritiba para a degola. As equipes da degola que podem ultrapassar o Athletico (Red Bull, Coritiba e Botafogo) entram em campo apenas na segunda-feira, no encerramento da rodada. O Goiás, por sua vez, está afundado na lanterna, com 12 pontos.

Os times começaram empolgados em busca do resultado. Fernandão tentou mostrar o caminho para os donos da casa, mas acabou errando o alvo, mandando para fora.

O Athletico-PR apostou nas jogadas com Carlos Eduardo para abrir o placar e deu certo aos 19 minutos. O atacante entortou o marcador e cruzou. Renato Kayser se infiltrou entre os zagueiros e testou firme para o fundo das redes.

Os paranaenses ainda tiveram a chance de ampliar antes do intervalo novamente em jogada de velocidade de Carlos Eduardo. O atacante saiu de frente para o gol, mas Tadeu, com os pés, conseguiu evitar o pior.

O Goiás voltou para o segundo tempo e balançou as redes logo aos três minutos. Caju fez bom cruzamento e Fernandão apareceu para completar. O VAR consultou o lance e assinalou impedimento do centroavante. O lance acordou o Athletico-PR, que seguiu buscando o gol. Léo Cittadini tentou duas vezes, mas parou em Tadeu.

Apesar das oportunidades criadas, o Goiás seguia assustando. Sandro carimbou o travessão em cabeçada após cobrança de escanteio, aos 21 minutos. Os donos da casa foram para o abafa nos minutos finais, mas não conseguiram o empate.

O Athletico-PR volta a jogar contra o Santos, no próximo sábado, 19 horas, na Arena da Baixada, em Curitiba. Um pouco mais tarde, às 21 horas, o Goiás recebe o Palmeiras, na Serrinha, em Goiânia.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir