Cidadeverde.com
Política

Governadores, Rodrigo Maia e ministros do STF vão debater vacinação com a Anvisa

Imprimir

O governador Wellington Dias (PT) afirmou nesta terça-feira (5) que o Brasil corre um risco maior do que outros países se não começar a vacinar sua população contra a covid-19. O assunto foi discutido em reunião com o presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia. De acordo com o governador, que preside o Consórcio Nordeste, o pais tem atualmente 10 milhões de doses da vacina, no entanto, não possui um cronograma de imunização.

"Nós temos hoje 10,8 milhões de doses de vacina no Brasil. A perspectiva de chegar mais outras, cerca 12 milhões de doses nos próximos dias, e não temos um cronograma, não temos ainda aquilo que é necessário, como é que vai se dá todo esse processo de vacinação", afirmou.

Segundo o governador, o assunto precisa ser discutido de forma clara com várias instâncias, dentre elas o Supremo Tribunal Federal (STF).

"O Brasil está muito, muito atrasado em relação ao processo de vacinação.  A consequência disso é que nós temos um risco maior que outros países. O fato é que precisamos botar na mesa todos os atores e assim conversei hoje com o presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia, conversei com outros líderes, governadores, cientistas e o objetivo é que na segunda-feira, dia 11. possamos ter um esforço para uma reunião em que tenhamos ali a presença do Congresso Nacional, do Supremo, dos governadores, dos municípios, a presença dos laboratórios como a FIOCRUZ, o Butantã, a presença de empresas, dos cientistas para que possamos juntos com ANVISA ter uma solução", destacou.

Ainda segundo Wellington Dias, se é a vacina que vai tirar o país da situação de pandemia é preciso dar celeridade ao processo de imunização.

"Se é a vacina quem vai nos tirar desse risco, inclusive da presença do coronavisrus com mutação no Brasil, que vai salvar vidas, porque que não colocamos como total prioridade e sentar à mesa, tomar uma decisão a partir de um cronograma, que é claro, possa seguir a ciência, obrigatoriamente, sim. Mas com agilidade de uma situação de calamidade", declarou.

No encontro com Maia foi tratando ainda sobre o último boletim divulgado pelo Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Nordeste, alertando o Brasil sobre os riscos após as aglomerações provocadas pelas eleições e festividades de fim de ano, o que aponta uma perspectiva de crescimento no número de pessoas infectadas com a Covid-19, além da preocupação quanto à confirmação do coronavírus com mutação no Brasil.

“Em agenda como o comitê de cientistas do Nordeste, coordenado pelo dr. Miguel Nicolelis, tratamos sobre o último boletim que eles publicaram, no qual alertam o Brasil para um grave risco após as grandes movimentações, como eleições, Natal, Ano Novo, férias, e se não tiver um alerta para que as pessoas não descuidem do uso de máscara e distanciamento, podemos ter um crescimento muito elevado e mais, com a presença do coronavírus com mutação já confirmado no Brasil. Ao mesmo tempo, a necessidade de se ter um comitê organizado que possa garantir rápida solução para as vacinas, com isso evitar que tenhamos um agravamento da crise brasileira e um aumento do número de mortes. Então, estamos, a partir dessa nota do comitê científico, tratando com o Fórum dos Governadores e com o governo federal”, ressaltou o governador.

Hérlon Moraes
[email protected]

Imprimir