Cidadeverde.com
Esporte

Com 2 de Savarino, Atlético-MG bate reservas do Santos e fica a 5 pontos do Inter

Imprimir

O Atlético-MG se aproveitou da escalação de uma equipe reserva pelo Santos e das falhas da defesa adversária para se recuperar no Campeonato Brasileiro. 

Foto - Ivan Storti - Santos

Com gols no começo do primeiro tempo, ambos de Savarino, derrotou o time paulista por 2 a 0, nesta terça-feira, em duelo adiado da 28.ª rodada do Campeonato Brasileiro, no Mineirão.

A vitória coloca o Atlético-MG em terceiro lugar, com 57 pontos, a cinco do líder Internacional. E foi garantida graças ao bom início do time, que marcou dois gols com Savarino em menos de 20 minutos. 

Acabou sendo suficiente para a equipe retomar a condição de melhor ataque do campeonato, com 56 gols marcados. Ainda assim, chamou a atenção a queda de rendimento do time no segundo tempo, quando pouco ameaçou o Santos.

A equipe da Vila Belmiro, aliás, sofreu com a frágil atuação do lado esquerdo da defesa. E o lance dos dois gols surgiram de cortes errados. Depois, mesmo com os reservas, até equilibrou o duelo, deu trabalho a Everson, mas acabou sendo insuficiente para evitar a derrota. 

Foi o terceiro revés consecutivo do time, que só levou um titular a Belo Horizonte, o goleiro John, com Cuca mais preocupado com a final da Copa Libertadores.

Após ascender ao terceiro lugar, com 57 pontos, o Atlético-MG voltará a jogar no domingo. Novamente no Mineirão, às 17 horas, vai receber o Fortaleza. Já o Santos se concentra de vez na decisão de sábado com o Palmeiras, no Maracanã. 

E no Brasileirão parou nos 45 pontos, na décima colocação, se distanciando da briga por vaga na Libertadores. Voltará a jogar pelo torneio em 3 de fevereiro, diante do Grêmio, em Porto Alegre.

O JOGO - Pressionado pela derrota para o Vasco e tendo sido alvo de protesto de torcedores, irritados com a oscilação da equipe, o Atlético-MG foi a campo com várias novidades: Réver retornou à zaga, com Nathan e Eduardo Sasha ganhando chances nas vagas que vinham sendo de Allan e Vargas, respectivamente.

Já o Santos, focado na decisão da Libertadores, só escalou um titular: John, em busca de ritmo de jogo após se recuperar do coronavírus. E quando a bola rolou, ele sofreu com a fragilidade da defesa santista. 

Logo aos 3 minutos, ela deu um presente ao Atlético. Luiz Felipe cortou mal um lançamento de Réver. Savarino aproveitou, tabelou com Nathan e tirou do goleiro para marcar: 1 a 0.

O Santos não reagiu. E o Atlético permaneceu no campo de ataque. Deu trabalho a John em cobrança de falta de Hyoran e logo marcou pela segunda vez.

E novamente com um corte errado do adversário, uma jogada pela esquerda e gol de Savarino. Dessa vez, Keno deu um lindo passe, nas costas de Wagner Leonardo, para o venezuelano, que colocou no ângulo, aos 18 minutos.

Assim, sem nem ser tão incisivo, o Atlético abriu 2 a 0 rapidamente. Diminuiu o ritmo, parecia ter o jogo sob controle, ainda teve uma chance com Sasha, mas viu o Santos reagir no fim do primeiro tempo.

Em jogadas construídas pela ponta esquerda, por Guilherme Nunes e Arthur Gomes, Marcos Leonardo só não marcou porque parou em Everson e na trave.

Na etapa final, o Santos seguiu equilibrando o jogo e ainda promoveu uma estreia entre os profissionais, do zagueiro Wellington Tim, improvisado na lateral esquerda. Conseguia marcar bem o Atlético-MG, que passava mais tempo no campo de ataque, mas sem ameaçar. 

E ainda deu algum trabalho a Everson, como em uma bela jogada individual de Arthur Gomes, aos 15 minutos.

De resto, a partida foi quase um marasmo. E o Atlético ainda terminou com uma preocupação, pois Keno pareceu ter sofrido uma grave lesão no cotovelo esquerdo, sendo substituído imediatamente. 

No fim, Bruno Marques, de cabeça, perdeu outra chance para o Santos, que acabou sendo punido pelo péssimo início de jogo no Mineirão. E pelos gols de Savarino.

Por Leandro Silveira
Estadão Conteúdo

Imprimir