Cidadeverde.com
Viver Bem

Cidade de São Paulo amplia imunização em profissionais da saúde

Imprimir

A Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), ampliou nesta semana a vacinação contra a Covid-19 em profissionais da saúde na capital. A decisão foi tomada depois de a cidade receber, na segunda-feira (25), um lote de 165,3 mil doses do imunizante produzido em parceria entre o laboratório AstraZeneca e a universidade de Oxford, no Reino Unido.

Na semana passada, a primeira desde que a vacinação começou, as doses estavam sendo aplicadas somente nos profissionais de saúde que tivessem contato diário direto com pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Agora, as vacinas serão aplicadas em todos os funcionários de hospitais públicos e privados exclusivos para o tratamento da Covid-19, mesmo aqueles que não atuem diretamente na linha de frente.

Nas unidades hospitalares que também atendem outras enfermidades, a imunização deverá atingir todos os profissionais da enfermaria e UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para Covid-19, além de funcionários de reabilitação, coleta laboratorial e áreas de limpeza e administrativo.

Em UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), prontos-socorros, AMAs (Assistências Médicas Ambulatoriais) e UBSs (Unidades Básicas de Saúde), todos os profissionais serão vacinados.

As 165,3 mil doses da vacina de Oxford que chegaram à prefeitura de São Paulo no início da semana se somam a outras 203 mil unidades da Coronavac, produzida em parceria entre o Instituto

Butantan e o laboratório chinês Sinovac. Com isso a capital paulista já recebeu 368,3 mil doses do imunizante contra o novo coronavírus.

Na segunda, o governo do estado, gestão João Doria (PSDB), iniciou a entrega de 501 mil doses da vacina de Oxford às cidades paulistas. Os imunizantes, importados da Índia, foram recebidos no dia 22 por autoridades da saúde no aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, após série de adiamentos na liberação da carga, situação que provocou desgaste ao governo federal.

 

Folhapress

Imprimir