Cidadeverde.com
Esporte

Flamengo embala em reta final e tenta assumir liderança do Brasileiro

Imprimir

A vitória sobre o arquirrival Vasco na quinta-feira (4), que diminuiu para dois pontos a distância para o Internacional, líder do Brasileiro, ativou o modo "deixou chegar" no Flamengo, lema usado pela torcida para ilustrar a força rubro-negra em decisões.

Essa onda de otimismo já vinha crescendo desde o mais recente triunfo por 2 a 0 contra o Palmeiras, mas atingiu um nível mais alto depois do clássico, agora a apenas quatro rodadas para o fim do campeonato nacional.

A alegria de jogadores, dirigentes e torcedores se explica: a partir de agora, o Flamengo depende apenas de si para levantar o caneco, e o rendimento sólido das últimas partidas anima. A equipe pode, inclusive, assumir a liderança, ainda que provisoriamente, ao visitar o Red Bull Bragantino neste domingo (7).

Sempre comedido, o técnico Rogério Ceni deixou a euforia dentro do vestiário do Maracanã. Mas tratou de empurrar a pressão para o Beira-Rio, cujo clube teve uma sequência de nove vitórias encerrada em empate com o Athletico-PR, em Curitiba. Lembrando que o time gaúcho não ganha o Brasileirão desde 1979.

"O Inter ganhou coisas importantes, duas Libertadores, o Mundial, títulos até maiores que o Campeonato Brasileiro. Continuam favoritos na competição, mas, hoje, a gente dorme feliz, porque voltou a depender só da gente.

Manter a cabeça no lugar é relativamente fácil, os jogadores são profissionais. Esses caras já viveram tudo, sabem quão importante é ser campeão. Eles querem, todos nós queremos brigar", disse ele.

Após um início de altos e baixos na Gávea, o treinador moldou um Flamengo mais solto em campo e que tem entregado muito suor para recuperar a bola e superar os adversários.

Problema crônico em 2020, a zaga se acertou com a entrada de Arão e completou o segundo jogo seguido sem ser vazada. Com Diego e Gerson como volantes, o time rubro-negro melhorou, subiu na tabela e preocupa mais os concorrentes a cada rodada que passa.

"Diego é um 10 de origem, ele trabalha mais atrás que o Gerson. Quando eles jogam lado a lado, alternamos as subidas. Ainda vão faltar ajustes, Diego não é um primeiro volante, eles são dois '8' ou dois '10'. 

Fico feliz de ver um time com Diego e Gerson e os quatro na frente. Mas, sem comandar o jogo, esses jogadores passam a ter que marcar muito", acrescentou o técnico.

Com o futebol em alta e a matemática a favor, o Flamengo tem a oportunidade de jogar a pressão para o Inter. No iminente compromisso em Bragança Paulista (SP), o time rubro-negro assume a ponta se vencer.

Como o clube colorado folga no fim de semana, os atuais campeões seriam líderes pela primeira vez nesta edição do Nacional e testariam ainda mais a força dos gaúchos.

A dor de cabeça da vez fica por conta de Gerson, que sofreu entorse no tornozelo. Com tempo escasso para recuperação, a presença do jogador no interior paulista é uma incógnita. Suspenso pelo terceiro amarelo, Diego está fora.

Apesar das pedras no caminho, a confiança está de volta no Ninho. Para Bruno Henrique, o Flamengo encontrou o caminho para a taça. "Restam quatro jogos ainda, e a gente entrou no trilho, era isso o que a gente queria. 

Quando a gente entrasse no trilho, a gente conseguiria desempenhar o nosso futebol e fazer o que a gente sempre soube fazer."

LEO BURLÁ
RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS)

Imprimir