Cidadeverde.com
Últimas

CRM é contra remanejamento obrigatório de médicos do Lineu Araújo para hospitais

Imprimir

 

A Prefeitura de Teresina decidiu reavaliar o remanejamento dos médicos que atendem no Centro de Saúde Lineu Araújo para outros hospitais, inclusive com atendimento nas unidades de terapia intensiva (UTI), durante esse período mais crítico da pandemia da Covid-19. O Conselho Regional de Medicina do Estado do Piauí (CRM-PI) informou que o prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, após reunião, informou que iria encontrar uma “melhor solução” para atender a alta demanda de pacientes com Covid-19. 

A presidente do CRM-PI, Mirian Parente, ressalta que muitos dos médicos com atuação no Centro de Saúde Lineu Araújo estão há anos sem prestar serviços intra-hospitalar. “Agora, foram compulsoriamente designados para esse tipo de atendimento, inclusive dentro de UTI”, diz. 

“Estamos pedindo que a FMS não faça essa imposição aos médicos para assumir locais de trabalho que não se sentem aptos. Nós sabemos que o médico depois de formado pode atuar em várias áreas, mas eles precisam estar capacitados. Muitos desses médicos estão atendendo há anos em ambulatórios e consultórios, mais de 15 anos. De repente, precisam atender pacientes gravíssimos, isso é complicado até para a assistência ao paciente”.

Os representantes do CRM já estiveram reunidos com o prefeito de Teresina para discutir a situação dos remanejamentos.  “Alguns médicos entenderam o chamado e acreditam que podem contribuir, vão passar por capacitação, vão poder colaborar; mas outros não sentiram isso, esses podem contribuir de outra forma. O profissional precisa se sentir confortável. O prefeito não nos deu prazo, mas esperamos que isso aconteça o mais rápido possível porque os médicos já foram convocados”.

De acordo com a presidente do CRM-PI, o Dr. Pessoa entendeu a situação e ficou de conversar com o presidente da Fundação Municipal de Saúde para “encontrar a melhor solução do que essa, que era de obrigar os médicos para esse tipo de atendimento”.



Em nota, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) esclareceu que “os profissionais remanejados para atendimento na rede hospitalar, no enfrentamento à Covid-19, são plenamente capacitados para a função”. 

O CRM-PI defende que a Prefeitura de Teresina convoque novos profissionais da lista de espera do processo seletivo da Fundação Municipal de Saúde. 

A FMS esclarece que a decisão de remanejar os médicos “foi tomada considerando a necessidade de intensificar as medidas de contenção da propagação do novo coronavírus, e, assim, preservar a prestação de serviços nas nossas unidades hospitalares, em função do agravamento da crise de saúde pública”.


Carlienne Carpaso
[email protected]

 

Imprimir