Cidadeverde.com
Últimas

Operação prende suspeitos de fraudar INSS e gerar prejuízo de R$ 2 milhões

Imprimir

Atualizada às 10h

Operação da Polícia Federal (PF), deflagrada nesta terça-feira (08), mira na desarticulação de uma associação criminosa especializada na realização de fraudes em benefícios assistenciais ao idoso. Duas pessoas foram presas preventivamente. Os criminosos chegaram a fraudar pelo menos 34 benefícios com prejuízo efetivo aos cofres públicos de mais de R$ 2 milhões. O cumprimento de mandados ocorreu nas cidades de Teresina e José de Freitas, no Piauí, e em Timon, no Maranhão. A operação foi denominada “Réplica”.  A policia apreendeu R$ 60 mil em espécie em José de Freitas. 

De acordo com a Polícia Federal, “no decorrer das investigações, já foram identificados 34 benefícios assistenciais com indícios de fraude, os quais já causaram um prejuízo efetivo ao INSS no montante de aproximadamente R$ 2,1 milhões e com potencial de lesar o erário na ordem superior a R$ 3,5 milhões, caso não fossem cessadas as atividades criminosas”. 

A operação acontece em parceria com a Coordenação Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista do Ministério da Economia (CGINT) em trabalho da Força Tarefa Previdenciária no Estado do Piauí. 

“Na data de hoje, a Polícia Federal deflagrou a Operação Réplica em parceria com a CGINT, órgão que compõe a Força Tarefa Previdenciária. O objetivo da operação foi desarticular uma associação criminosa voltada a fraudar benefício assistenciais ao idoso. Até o momento foram identificados 34 benefícios fraudados por essa associação criminosa. Foram apreendidos aproximadamente R$ 60 mil, além de vasta documentação: documentos falsos, requerimentos de concessão de benefício, histórico de créditos, cartões bancários”, diz o delegado de Polícia Federal, Eduardo Monteiro. 

Um dos investigados, com mandado de prisão preventiva, já usava, inclusive, tornozeleira eletrônica por outros crimes cometidos. 



A operação, segundo a PF, mobilizou "35 policiais federais para o cumprimento de nove mandados judiciais, sendo dois mandados de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão, todos expedidos pelo Juízo da 1ª Vara Federal de Teresina/PI".

“A pedido da Polícia Federal foi determinado o bloqueio judicial das contas bancárias vinculadas a 40 CPFs envolvidos nas fraudes identificadas, bem como foi determinada a suspensão judicial de 34 benefícios assistenciais irregulares”, acrescentou a PF.

A Polícia Federal ressalta que “os investigados poderão responder pelos crimes de Associação Criminosa (Art. 288 do Código Penal), Estelionato Majorado (Art. 171, § 3º do Código Penal); Falsidade ideológica (Art. 299 do Código Penal) e Uso de Documento Falso (Art. 304 do Código Penal)”.

“O nome da Operação decorre do fato de um dos investigados ter suas fotografias replicadas em diversos documentos de identificação, passando-se por pessoas inexistentes”. 

 

Carlienne Carpaso
[email protected] 

  • pf_op_08.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_10.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_9.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_8.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_7.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_6.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_5.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_4.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_3.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_2.JPG Polícia Federal no Piauí
  • op_pf_1.JPG Polícia Federal no Piauí
Imprimir