Cidadeverde.com
Últimas

Governador autoriza nomeação de 68 policiais civis; 12 são delegados

Imprimir

Atualizada às 10h47 desta quarta, dia 30

O governador Wellington Dias (PT) autorizou nesta terça-feira (29) a convocação de policiais civis aprovados no último concurso público realizado no Piauí em 2018. Ao todo, são 68 policiais que já passaram pelo curso de formação. Segundo a Secretaria de Segurança, são 12 delegados, 24 peritos e 32 agentes. Houve alteração no número divulgado nesta terça de 14 delegados, 32 agentes e 25 peritos, após a SSP levantar que alguns candidatos já passaram em outros concursos e não devem assumir os cargos.

Segundo o Cidadeverde.com apurou, o decreto de nomeação será assinado assim que o governador retornar de Brasília, onde cumpre agendas administrativas.

“Com isso, a gente completa o ciclo (de convocação) do último curso de formação”, disse o secretário de Segurança, coronel Rubens Pereira

O gestor afirmou que todo o efetivo será destinado para o interior do estado. O concurso realizado em 2018 era para formação de cadastro reserva. O certame tem validade até agosto deste ano, mas deve ser prorrogado.

“O primeiro prazo de 2 anos encerra em agosto e já pedi a prorrogação junto à Secretaria de Administração”, garantiu o secretário.

Novo curso de formação

Sobre o restante dos classificados, o secretário ressalta que 160 agentes aguardam chamamento para um novo curso de formação.

“Ainda desse concurso restariam em torno de 160 agentes. A gente já fez o projeto para poder convocar, mas só vamos convocar após a equipe econômica avaliar. Primeiro tem o curso de formação, que tem um custo. Nós suspendemos o curso de formação por conta da pandemia. Estamos ainda nessa fase de pandemia. Alguns funcionários da academia morreram por conta disso”, afirmou, ressaltando que a previsão é que o curso aconteça até o início do ano.

“Voltamos com videoconferência, mas o que nós queremos é voltar com aula presencial. Como os servidores estão sendo vacinados, a programação é iniciar ainda este ano o curso ou no ano que vem, de acordo com o governo”, destaca.

Hérlon Moraes
[email protected]

Imprimir