Cidadeverde.com
Esporte

São Paulo se desfaz no 2º tempo, leva virada do Bragantino e segue sem vencer

Imprimir

O calvário do São Paulo continua no Campeonato Brasileiro. A equipe tricolor até fez um bom primeiro tempo, abriu o placar com Rigoni, mas perdeu peças importantes por contusão na etapa final e foi superado pelo Red Bull Bragantino, de virada, por 2 a 1, neste domingo, no Morumbi.

Foto - Rubens Chiri / saopaulofc.net

Agora são nove jogos sem vencer na competição. O São Paulo soma apenas cinco pontos e está no 17.º lugar - o primeiro integrante da zona de rebaixamento.

Já o Bragantino chegou aos 21 pontos e se manteve na liderança do Brasileirão, condição que foi perdida momentaneamente no sábado para o Athletico-PR.

Com 30 segundos, Volpi errou uma saída de bola e Raul quase marcou. O susto serviu para acordar o São Paulo no frio Morumbi.

A equipe, novamente sem Hernán Crespo no banco - o argentino se recupera da covid-19 -, era eficiente na marcação e, com uma boa movimentação das peças no ataque, criava oportunidades.

O gol saiu na junção das duas situações. Reinaldo roubou bola no campo de defesa, tabelou com Benítez e encontrou Eder pelo lado esquerdo.

O atacante, que saiu da área para abrir espaço, acertou cruzamento perfeito na cabeça de Rigoni. O argentino fez 1 a 0 aproveitando o lugar deixado pelo companheiro.

A vantagem não fez o São Paulo alterar o plano de jogo. O problema é que o momento não ajuda. Miranda saiu no intervalo após sentir um desconforto muscular e o empate do Bragantino saiu justamente na posição em que o zagueiro estaria ocupando.

Claudinho cobrou falta na área e Alerrandro, que havia acabado de entrar, marcou de cabeça.

Pouco antes do gol, o São Paulo havia perdido ainda Reinaldo, outro que reclamou de um problema médico.

Juan Branda, auxiliar de Crespo, optou por desfazer o esquema com três zagueiros em um momento de fragilidade do time e foi punido. A mudança abriu espaço para o Bragantino, que virou o jogo em um golaço de Artur, e poderia até ter ampliado o placar.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir