Cidadeverde.com
Política

"Eu não sei quanto tempo Ciro ficará com Bolsonaro", diz Lula no Piauí

Imprimir
  • lula_(14).jpg Roberta Aline
  • lula_(13).jpg Roberta Aline
  • lula_(12).jpg Roberta Aline
  • lula_(11).jpg Roberta Aline
  • lula_(10).jpg Roberta Aline
  • lula_(9).jpg Roberta Aline
  • lula_(8).jpg Roberta Aline
  • lula_(7).jpg Roberta Aline
  • lula_(6).jpg Roberta Aline
  • lula_(5).jpg Roberta Aline
  • lula_(4).jpg Roberta Aline
  • lula_(3).jpg Roberta Aline
  • lula_(2).jpg Roberta Aline
  • lula_(1).jpg Roberta Aline

O ex-presidente Lula afirmou em coletiva nesta quarta-feira (28) em Teresina que não acredita que o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, irá permanecer no cargo por muito tempo. Segundo Lula, o "casamento" entre ele e o presidente Bolsonaro será mais curto do que se imagina.

"Eu não sei por quanto tempo o Ciro ficará com Bolsonaro. Não tenho nenhuma certeza e acredito que esse casamento será mais curto do que se imagina", afirmou Lula durante visita ao Piauí.

Em coletiva de imprensa, Lula disse que Ciro perde força e acredita que o senador piauiense representa para Bolsonaro o mesmo que ex-senador Jorge Bornhausen foi para o ex-presidente Fernando Collor.

“Eu acho que o Ciro está representando para o Bolsonaro o que Bornhausen foi para o Collor, que teve que chama-lo às pressas para tentar salvar o Collor do impeachment, mas não deu certo”. 

“O Bolsonaro levou Ciro para o governo como se fosse um Deus para salvar a articulação política dele, eu quero dizer que um governo que se comporta como o presidente Bolsonaro não terá sustentação no processo eleitoral”.

O ex-presidente afirmou que está conversando com lideranças do Progressistas em vários estados.

Lula reafirmou que não tem pressa sobre as eleições e não se coloca como candidato na viagem que faz ao Nordeste, "mas como político para discutir as mazelas que o Brasil enfrenta", declarou.

Afirmou também que não vê problema em ter polarização entre ele e Bolsonaro e que pede a Deus que vários candidatos sejam lançados à presidência da República.

Lula ressaltou que existe uma campanha de ódio e intolerância, mas que da parte do PT não haverá jogo rasteiro, pois o partido fará uma campanha de alto nível.

Questionado sobre Wellington Dias ser seu ministro em uma eventual vitória em 2022, Lula sinalizou positivamente. "Seria um louco o presidente dispensar um índio esperto e competente como o Wellington Dias", afirmou, ressaltando que o governador tem experiência e diálogo imprescindíveis para qualquer governo. 

"Ele contribuirá para o Brasil em qualquer área", finalizou.

 

Flash Yala Sena
[email protected]

Imprimir