Cidadeverde.com
Política

Ciro Gomes pede "trégua de Natal" com PT para enfrentar Bolsonaro

Imprimir

Foto: Yala Sena/ Cidade Verde

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que pretende ser candidato à Presidência da República em 2022, minimizou, neste domingo (3), os ataques que sofreu no ato pelo impeachment de Jair Bolsonaro (sem partido), em São Paulo.

Mencionando diferenças com o PT, Ciro pediu uma "trégua de Natal" quando o assunto for a mobilização para remover o presidente. O ex-ministro, em sua pré-campanha, não tem poupado críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e aos governos do PT.
O pedetista afirmou ainda que não recebeu ligações de petistas em solidariedade, mas também procurou não dar importância a isso –alguns líderes do partido repudiaram a agressão em entrevistas na imprensa, mas não pessoalmente a Ciro.

Durante a manifestação contra Bolsonaro, neste sábado (2), Ciro foi vaiado ao discursar no palco da avenida Paulista. Ao deixar o local, teve que entrar rapidamente em seu carro para fugir de pedaços de pau sendo atirados contra ele. Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, a maior parte do público da manifestação era de esquerda –especialmente de movimentos e partidos que trabalham para a eleição de Lula em 2022.

De forma geral, os pedetistas alvos da agressão identificaram militantes do PCO (Partido da Causa Operária), da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e do PT como autores das ações, mas Ciro evitou apontar culpados.

Ciro pregou unidade de campos políticos para conquistar uma maioria parlamentar pelo impeachment e mencionou sua ida à manifestação promovida pela direita, em 12 de setembro, organizada pelo MBL (Movimento Brasil Livre) e pelo Vem Pra Rua.

"Quando eu aceitei o convite do MBL, eu não superei as diferenças insuperáveis que tenho com MBL e nem, acabado o ato, fomos tomar cerveja. [...] Também as minhas diferenças com o PT são cada vez mais profundas e insuperáveis, mas o que eu estou propondo, para toda a militância nossa, é não dar valor a esses incidentes, que são desagradáveis, mas são irrelevantes à luz da gravíssima hora que o Brasil está pedindo de todos nós: serenidade, equilíbrio e foco", disse Ciro em entrevista à imprensa neste domingo.

"Estamos propondo uma amplíssima trégua de Natal, como nas guerras. Para, quando for o assunto Bolsonaro e impeachment, a gente deve esquecer tudo e convergir para esse rasíssimo consenso, que já não é fácil", completou.

Questionado sobre o PT aderir à trégua, Ciro afirmou que "pouco importa". "Eu não espero [que haja adesão do PT], porque eu já vi acontecendo coisas com [Leonel] Brizola, com Mario Covas, comigo mesmo. Isso é irrelevante."

"Não temos que esperar que eles aceitem ou se comportem como nós gostaríamos, nós é que temos que nos comportar de forma coerente com o que o Brasil precisa: uma trégua ao redor de um único assunto", disse Ciro, ressaltando que, para além do "fora, Bolsonaro", vai continuar estabelecendo diferenças.

Ciro pediu serenidade à militância do PDT, que segundo ele ficou "muito aborrecida". Ele defendeu "manter o foco no que interessa e não dar relevância ao que não tem relevância nem centralidade". "Temos que ter uma capacidade de não entrar nesse tipo de coisa lateral", disse.

"Recebo com carinho e gratidão todas as expressões de gratidão, mas não dou a menor bola à bobagenzinha que aconteceu lá", afirmou o ex-ministro. Ele disse ainda ser necessário "aguentar tudo que tiver que aguentar" em nome da coesão pela democracia.
Uma série de políticos do campo progressista condenou os ataques, como Guilherme Boulos (PSOL), Orlando Silva (PC do B) e Marina Silva (Rede). Até a tarde deste domingo, Lula, Fernando Haddad (PT) e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, não haviam publicado mensagens sobre o fato em suas redes.

Gleisi, no entanto, afirmou ao UOL que o "incidente foi lamentável" e que "isso nunca foi orientação do PT". Haddad, ao deixar a manifestação, afirmou ser lamentável o ocorrido. Em seu discurso, após as vaias, pregou unidade.

Ciro afirmou ainda que as manifestações de sábado em todo o país foram positivas, "um sucesso extraordinário", e que é preciso insistir na unidade dos campos políticos e na mobilização de rua. "Só a rua, de forma ampla, generosa e absolutamente plural, vai permitir que a gente tire [o presidente da Câmara] Arthur Lira [PP-AL] da omissão criminosa de despachar o processo de impeachment."

O pedetista reiterou que Bolsonaro cometeu crimes graves e que continuará tentando dar um golpe.

Há uma expectativa de nova manifestação contra Bolsonaro no dia 15 de novembro, e a ideia de organizadores é ampliar o escopo ideológico para tentar promover algo que se assemelhe às Diretas Já.

Ciro deu sugestões para essa nova manifestação: de que tenha maior participação de artistas e de que haja uma mobilização que circule pelo país, a exemplo das Direitas Já, segundo ele. O pedetista chegou a propor que o palco principal não seja em São Paulo, mas em Belo Horizonte, Salvador ou Porto Alegre.

Fonte: Folhapress

Imprimir