Cidadeverde.com
Entretenimento

Para 2022, o FestLuso terá a participação de oito países falantes da língua portuguesa

Imprimir
  • cida11.jpg Margareth Leite
  • cida10.jpg Margareth Leite
  • cida9.jpg Margareth Leite
  • cida8.jpg Margareth Leite
  • cida7.jpg Margareth Leite
  • cida6.jpg Margareth Leite
  • cida5.jpg Margareth Leite
  • cida4.jpg Margareth Leite
  • cida3.jpg Margareth Leite

 

A 11ª edição do Festival de Teatro Lusófono (FestLuso) foi encerrada neste domingo (28) fortalecendo a integração entre grupos falantes da língua portuguesa e experimentando novos formatos, devido à pandemia de Covid-19. Para os curadores, o evento cumpriu sua missão e já anunciaram que em 2022 vão trazer grupos dos oitos países: Moçambique, Angola, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Portugal.

“Esse elo da lusofonia ficou mais fortalecido, após esse difícil momento pandêmico. O festival cumpre a sua função, ele trouxe para cena questões raciais, as ancestralidades e nos mostrou como produzir nesse tempo de pandemia, de confinamento, isolamento e falta de liberdade. O FestLuso cumpriu a missão de discutir assuntos relevantes”, disse o curador do evento, Francisco Pellé, que agradeceu à equipe do festival e o público presente.

O FestLuso aconteceu de 22 a 28 deste mês e reuniu grupos de países da língua portuguesa, tendo participações de espetáculos de Portugal, Moçambique, Rio de Janeiro, Ceará, Piauí e Bahia, além de convidados de Pernambuco. O evento teve apresentações culturais, oficinas, exibição de filme, lançamentos de livros, músicas, sarau, poesia e roda de conversa.

Pellé destacou que todos estavam receosos em fazer uma edição em período pandêmico, mas o balanço é bastante positivo, trazendo um formato híbrido e em espaço com público limitado. A ideia é o festival retornar no próximo ano no mês de agosto. Além disso, o público foi receptivo com a exigência nos espetáculos do uso de cartão de vacinação e uso de máscara.

Foto: Ascom/FestLuso

“Era preciso marcar presença e dizer: estamos aqui e vamos continuar. Valeu a pena e vale a pena continuar investindo em eventos que deem visibilidade para a cidade de Teresina, além de integrar artistas, pesquisadores, diretores e pessoas envolvidas na temática dos países falantes da língua portuguesa”.

 

Da Redação
[email protected]

Imprimir