Cidadeverde.com
Cidades

MPPI promove evento contra incêndios florestais em Bom Princípio

Imprimir

O Ministério Público do Estado do Piauí promoveu mais uma atividade de conscientização contra as queimadas irregulares e os incêndios florestais. A promotora de Justiça Francineide de Sousa Silva, titular na comarca de Buriti dos Lopes, proferiu palestra em evento realizado nesta terça-feira (07), no Ginásio Poliesportivo “Dário Marques de Barros”, município de Bom Princípio do Piauí.

A ação foi realizada em parceria com as Secretarias Municipais de Assistência Social e de Meio Ambiente e Turismo. Representantes do Corpo de Bombeiros, do Batalhão Ambiental e da Delegacia do Meio Ambiente também conduziram apresentações sobre o tema. A promotora de Justiça Francineide Silva falou sobre os impactos que o uso indevido do fogo pode provocar no meio ambiente, na saúde das pessoas e na economia, ressaltando que os danos tendem a ser graves e irreversíveis. A representante do MPPI destacou ainda a importância do controle de riscos, da prevenção e do conhecimento.

Durante o evento, foram distribuídos exemplares da cartilha educativa “Queimadas e Incêndios Florestais”, produzidas pelo Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente (Caoma), órgão do Ministério Público. Participaram da atividade diversos integrantes da comunidade local, além de autoridades municipais, a exemplo do prefeito de Bom Princípio do Piauí e secretários.

O Caoma e promotores de Justiça com atuação por todo o Piauí já desenvolveram ações semelhantes em vários municípios. Centenas de pessoas conheceram o projeto “Corta-Fogo”, que tem como objetivo principal a redução do número de focos de incêndio no estado.

Em linguagem simples e objetiva, a cartilha educativa “Queimadas e Incêndios Florestais”, principal veículo do projeto, apresenta explicações sobre os danos ambientais e à saúde que os incêndios podem causar. O material traz, ainda, orientações sobre como deve ser promovida uma queima controlada, prática permitida pela legislação ambiental em situações específicas. A cartilha divulga também as principais causas de incêndios florestais e os canais por meio dos quais podem ser efetivadas denúncias sobre o uso irregular do fogo.

Da Redação

Imprimir