Cidadeverde.com
Esporte

Atleta piauiense que mora na Ucrânia relata medo e preocupação após ataque da Rússia

Imprimir


O ataque da Rússia à Ucrânia começou nesta quinta-feira (24), trazendo medo e preocupação aos moradores da região. A situação também afeta os estrangeiros que moram no local, como é o caso da atleta piauiense Kedma Laryssa Santos Araújo, de 20 anos, que atua no time de futebol Kryvbas Women.

Kedma se mudou para a Ucrânia em agosto de 2021, após sair do clube Tiradentes, e mora na cidade de Kryvyi Rih, que está localizada no Sudeste do País.  Na manhã de hoje, ela e as atletas foram transferidos para um hotel, após o início dos ataques.

Foto: Reprodução/Instagram

 

“Algumas cidades foram atacadas e bombardeadas. Eu não moro na capital da Ucrânia, moro um pouco fastada de onde estão acontecendo os bombardeios, moro em Kryvyi Rih, que fica entre Kiev e o leste da Ucrânia. Na cidade onde eu moro não teve nenhum ataque, estamos todos bem, estamos em um hotel da equipe. Tiraram de onde a gente morava, que era perto de uma base [militar]”, afirmou a jogadora.

A jogadora explicou que apesar do medo e preocupação em relação à toda essa situação, está bem.

Foto: Reprodução/Instagram

“A nossa família está muito preocupada porque é uma coisa que a gente nunca viu, o medo é muito grande, mas queria tranquilizar todo mundo, a família e amigos para dizer que está tudo em paz e pedir para que isso passe logo, para a gente voltar logo para casa”, afirmou.

A Rússia atacou a Ucrânia nesta quinta-feira, 24, com bombardeios contra alvos militares em Kiev, Kharkiv e outras cidades no centro e no leste. 

Após quatro meses de crise com o Ocidente, a guerra entre a Rússia e a Ucrânia teve início. Kiev e a Otan (aliança militar ocidental) chamaram a ação de invasão total. Essa é a mais grave crise militar na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Milhares de moradores de Kiev começaram a deixar a capital da Ucrânia no começo desta quinta após a Rússia iniciar a invasão a várias partes do país. A capital começa a viver um caos. Há imagens de enormes congestionamentos se formando, especialmente nos corredores de acesso às saídas da cidade.

 

Bárbara Rodrigues

[email protected]

Imprimir