Cidadeverde.com
Geral

CNJ doa equipamentos para o TJ-PI reformular atendimento

Imprimir
O Tribunal de Justiça do Piauí (TJPI) recebeu 468 novos equipamentos de informática entre computadores, impressoras e scanners, doados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para promover um trabalho mais ágil e eficiente no Estado. As doações são resultado do trabalho realizado pelo Programa Integrar, nova denominação do Grupo Volante de Apoio à Justiça, criado pelo CNJ, e que atua no Piauí desde o dia 9 de março.

Depois de visitar as Varas Cíveis, Criminais, da Família, de Assistência Judiciária e da Fazenda Pública, além do Juizado Especial e da Infância e do Adolescente, os integrantes do Programa detectaram a precariedade dos equipamentos de informática e a necessidade de atualização. Agora, a equipe de informática do Programa prepara um planejamento de trabalho para estudar a possibilidade de doação de novos equipamentos, caso haja necessidade.

Para melhorar ainda mais o atendimento do Judiciário piauiense, além das ações de modernização, o presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, Raimundo Alencar, assinou uma série de atos normativos para acelerar a tramitação dos processos como o envio de e-mail com a íntegra do acórdão para o juízo do 1º grau e juntada aos autos do acórdão no processo de origem no mesmo dia, o que antes demorava meses.

Mais assessores
 
Outra medida adotada pelo desembargador foi a criação de cargos de Assessoria Especial de nível superior para auxiliar os juízes nos processos. “Foram anos de espera para que essa antiga reivindicação fosse atendida. Do jeito que estava não dava mais para suportar”, comemora o juiz Othon Mário Lustosa Torres, titular da 1ª Vara da Fazenda Pública. “Alguns tribunais conseguiram evoluir mais do que outros em termos de Tecnologia da Informação, mas a situação do Judiciário do Piauí não é diferente de outros. O grande esforço do Conselho Nacional de Justiça é fazer o nivelamento do Poder Judiciário como um todo, e começamos pelo Piauí”, explicou a juíza auxiliar da presidência do CNJ, Maria da Conceição Silva Santos, coordenadora do Programa Integrar.

O trabalho do Integrar vai prosseguir, mas ainda não foi definido qual o próximo Estado a ser beneficiado. “Espero que os colegas de outros estados cooperem com o Programa Integrar para a melhoria do atendimento ao usuário do sistema judicial, para os juízes e para os servidores”, disse o juiz Júlio César Menezes Garcez, titular da Comarca de Padre Marcos, no sul do Piauí, que faz parte do Programa.

redacao@cidadeverde.com

Tags:
Imprimir