Cidadeverde.com
Últimas

No 9º dia de greve, Strans diz que 100% dos ônibus seguem parados em Teresina

Imprimir

Foto: Renato Andrade/ Cidadeverde.com 

No 9º dia da greve no transporte coletivo em Teresina, 100% da frota continua sem circular na cidade. A informação foi confirmada na manhã desta terça-feira (29) pela Strans (Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito), que faz o monitoramento dos ônibus através do GPS. 

O superintendente da Strans, Cláudio Pessoa, afirmou que o Sintetro (Sindicato dos Trabalhadores Em Empresas de Transportes Rodoviários No Estado do Piauí) segue descumprindo a decisão da desembargadora Liana Chaib, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que determinou a circulação de 80% da frota de ônibus nos horários de pico e 60% nos horários de entrepico durante a greve.

"Temos remetido diretamente à Procuradoria Geral do Município os relatórios que atestam o descumprimento dessa determinação por parte do Sintetro. Além disso, temos lavrado uma infração para as empresas que descumprem as ordens de serviço expedidas pela Strans", destacou Cláudio Pessoa. 

Populares que precisam do transporte coletivo para se deslocar em Teresina têm recorrido a veículos cadastrados pela Strans. Ao todo, 250 ônibus foram cadastrados para atender a demanda durante a greve do coletivo em Teresina. No entanto, usuários reclamam do preço abusivo que os ônibus cadastrados têm cobrado. 

Com essa relação a isso, o superintendente da Strans alerta aos usuários do transporte coletivo que entrem apenas em ônibus que estejam cadastrados pela Superintendência de Transporte de Teresina e evitem os clandestinos. 

"Os veículos que estão operando regularmente têm uma logo da Strans informando a linha e itinerário. Os veículos que estão operando com valor diferenciado são os clandestinos. Estamos intensificando as fiscalizações para coibir esses veículos, que além de uma contravenção penal, cometem uma infração gravíssima que pode gerar multa de 1 mil vezes o valor da tarifa regular e apreensão do veículo", alertou Claudio Pessoa. 

Foto: Ascom / TRT


Reunião entre membros do Sintetro, Setut e TRT

Negociações 

A desembargadora Liana Chaib convocou representantes do Sintetro e Setut para encontrar um denominador comum entre os sindicatos e por fim à greve no transporte coletivo em Teresina. A reunião aconteceu às 12h da última segunda-feira (28) na sede do Tribunal Regional do Trabalho

Antes da reunião entre o Setut e Sintetro,  o secretário de Finanças Robert Rios apresentou uma proposta à desembargadora, onde a prefeitura de Teresina continuaria repassando para o Setut o valor de R$ 1,2 milhão, onde parte iria para os trabalhadores, além da possibilidade de um aporte de um valor não informado, para o subsídio do diesel.

"Tivemos um avanço importante, com a disponibilidade do secretário de Finanças de conversar e trouxe algumas propostas. Um acordo que talvez passe pela assinatura de uma convenção coletiva e um aceno do município para um repasse. Não tem ainda um valor, mas creio que teremos em breve uma solução. O secretário disse que vai fazer o aporte de R$ 1,2 milhão que já era repassado, mas com a greve houve a perspectiva de não se ter mais esse repasse. Agora o repasse vai ser mantido e vai ter a discussão para aportar mais um valor para o diesel", explicou.

Setut contesta dívida da Prefeitura 

Em meio às negociações que tentam por fim na greve de motoristas e cobradores do transporte público urbano da capital, o Setut cobra do poder público municipal o pagamento de uma dívida de aproximadamente R$ 72 milhões.

“Nos últimos 30 dias, os assuntos mais discutidos entre a Strans e as duas entidades, foram justamente o pagamento, por parte da Prefeitura, da dívida já gerada nessa gestão para com o sistema de transporte, atualmente acumulado em R$ 72 milhões”, afirmou a advogada Naiara Moraes, consultora jurídica do SETUT/SITT.

Segundo os empresários, o déficit corresponde a atrasos nos repasses de subsídios acumulados entre novembro de 2020 e fevereiro de 2022. Apesar disso, o sindicato patronal afirma que, em recente reunião com o superintendente da Strans, Cláudio Pessoa, foi comunicado que a Prefeitura de Teresina não reconhece a dívida com os empresários

 

 

Nataniel Lima
[email protected] 

Imprimir