Cidadeverde.com
Geral

DHPP divulga foto de suspeito de atirar em policial civil em Teresina

Imprimir

Foto: Breno Moreno/Cidadeverde.com

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) divulgou nesta quarta-feira (1) a imagem do suspeito de atirar no policial Cláudio Marcelo Melo do Nascimento, de 53 anos. Ele foi identificado como sendo Luciano de Sales Pereira, mais conhecido como 'Luciano Latro', de 33 anos, que cumpre regime semiaberto por latrocínio.

O policial Cláudio Marcelo foi baleado com dois disparos de arma de fogo na tarde de terça-feira (31), quando ele estava um bar localizado no bairro Lourival Parente, na zona Sul de Teresina. O policial é lotado no 21º Distrito Policial e tem 33 anos de serviços prestados à corporação.

As informações iniciais apontavam uma discussão entre o policial e o assaltante antes dos disparos, mas três testemunhas que estavam no local, relataram que não teve discussão, que o suspeito chegou ao local atirando e então tomou a arma. 

O assaltante não levou a carteira, o celular e nem os R$ 3 mil que estavam em posse da vítima. “Pelas informações, que ainda precisam ser apuradas, é que o alvo era ele, porque tinha mais de uma pessoa no bar e o indivíduo se voltou diretamente para ele, chegou atirando”, informou o delegado Francisco Costa, o Baretta.

Foto: PC-PI

De acordo com o DHPP, o suspeito foi identificado como sendo Luciano de Sales Pereira, conhecido como ' Luciano Latro', que cumpre regime semiaberto pelo crime de latrocínio.

“Ele está em regime semiaberto, ou seja, sai de dia e de noite ele dorme na casa de Albergados. Eu não sei como a Justiça colocou esse sujeito, acusado de latrocínio, em regime semiaberto e na casa de Albergados, mas ele foi identificado em menos de 24h do crime, e ele vai ser preso em breve”, informou Baretta.

O policial civil baleado está internado no Hospital de Urgência de Teresina (HUT), passou por cirurgia e seu estado de saúde é considerado estável. 

Esse é o terceiro atentado registrado contra policiais civis em mais de dois meses, todos estavam em bares, fora do horário de serviço. “O que acontece é que o policial quando ingressa na polícia, perde a liberdade, inclusive a vida, então temos que ter determinadas cautelas, pois combatemos o crime e os criminosos esperam as melhores oportunidades para efetivar as ações”, disse o delegado.

Quem reconhecer e souber a localizado do suspeito, pode denunciar pelo 181, pois a identidade do informante será mantida em sigilo.

Foto: Reprodução

Suspeito de participação no crime

Bárbara Rodrigues e Tiago Melo
[email protected]

Imprimir