Cidadeverde.com
Vida Saudável

Piauí fica em 1º lugar no país na vacinação da gripe, mas longe da meta de 90%

Imprimir

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com

O Piauí já conseguiu vacinar 54,6% do público alvo da campanha contra a gripe, ficando em primeiro lugar no Brasil, junto com Minas Gerais, que possui o mesmo percentual, segundo dados do LocalizaSUS do Ministério da Saúde desta terça-feira (7). O percentual ainda é considerado baixo, já que a meta de vacinação de 90%.

Devido ao baixo índice de vacinação em todo o país, a campanha que deveria ser encerrada no dia 3 de junho, foi prorrogada até o dia 24 de junho. A meta mínima é de 90%, mas apesar do Piauí aparecer em primeiro lugar entre os estados do Brasil, só conseguiu vacinar 54,6% do público alvo.

A baixa adesão tem preocupado, e segundo a coordenadora de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde, Kássia Barros, a vacinação pode ser realizada junto com a Covid-19. 

“Reforçamos a necessidade para a adesão da população nas campanhas contra a influenza. Além de completar os esquemas de vacinação da covid-19, em especial as doses de reforço, visto que estamos entrando em um período de maior incidência das doenças respiratórias”, explicou.

Fonte: Localiza Sus

O secretário de Saúde, Neris Júnior, afirmou que os indicadores não apontam um aumento dos casos de Influenza no estado, e pediu que a população fique atenta aos pontos de vacinação dos municípios, para garantir a imunização.

“É essencial que a população contemplada busque os pontos de vacinação e que os pais levem seus filhos. A vacina é a forma mais eficaz para evitar casos graves e por isso é tão importante ampliar a cobertura vacinal”, disse o secretário.

Os públicos alvos da campanha são:

  • crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias); 
  • gestantes e puérperas; 
  • povos indígenas; 
  • professores; 
  • pessoas com comorbidades; 
  • pessoas com deficiência permanente; 
  • forças de segurança e salvamento e Forças Armadas; 
  • caminhoneiros;
  • trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso; 
  • trabalhadores portuários; 
  • funcionários do sistema prisional; 
  • adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade.

 

Bárbara Rodrigues (Com informações da Sesapi)
[email protected]

Imprimir