Cidadeverde.com
Esporte

Rebeca e Flávia são campeãs no Pan-Americano e empolgam a torcida no Rio

Imprimir

Um ano depois de se tornar campeã olímpica diante de uma arena sem público em Tóquio, do outro lado do mundo, Rebeca Andrade fez a festa de centenas de crianças nesta sexta-feira (15), no Rio de Janeiro. 

Diante de bom público na Arena Carioca, a ginasta do Flamengo e da seleção brasileira ganhou o título do Campeonato Pan-Americano nas barras paralelas, ficou com a prata na trave que teve como medalhista de ouro a amiga Flávia Saraiva, também ovacionada por uma torcida barulhenta. Flavinha, aliás, só soube que foi campeã na zona mista.

Flávia também ganhou o ouro no individual geral, um dos resultados mais importantes de sua carreira, e o mais importante na carreira adulta. No solo, ela ficou com a medalha de prata.

O evento contou com um time "misto" dos EUA, que trouxeram ao Rio, por exemplo, Kayla DiCello, bronze no individual geral do Mundial de 2021.

O Pan-Americano tem um formato incomum na ginástica artística. Para priorizar a final por equipes, esta prova ficou para o último dia, domingo. E a primeira apresentação de cada time, nesta sexta -que normalmente é classificatória para finais de aparelhos e do individual geral-, desta vez valeu medalha.

Para poupar o joelho direito, que já passou por três cirurgias, Rebeca não apresentou seu Baile de Favela no solo, repetindo a estratégia do Campeonato Mundial do ano passado.

Pelo mesmo motivo, fez apenas uma apresentação no salto, a melhor do campeonato. Mas, para disputar medalha, a campeã olímpica precisaria fazer também um segundo salto, o que a comissão técnica entendeu que era um risco desnecessário.

As notas de Rebeca não são comparáveis com as da Olimpíada de Tóquio e do último Mundial, porque o código de pontuação mudou, mas as apresentações dela hoje foram todas em nível de quem vai brigar por todas as medalhas possíveis no Mundial de Liverpool, em outubro.

Coletivamente, a apresentação desta tarde serviu para classificar o Brasil para o Mundial. Garantiriam vaga, as cinco primeiras equipes, e a seleção formada também por Cristhal Bezerra, Carolyne Pedro e Julia Soares alcançou o objetivo. 

No domingo, a final por equipes vale só pelo teste do sistema de competição, sem descartes, que será igual no Mundial. Em Liverpool serão distribuídas as três primeiras vagas por equipes para Paris-2024, mas a briga do Brasil deverá ser pelas vagas remanescentes, que sairão em 2023.

No Pan, mesmo desfalcado de Jade Barbosa, com dores no joelho, o desempenho do Brasil foi muito bom.

Rebeca foi ouro nas assimétricas com 14,967, e Flavinha terminou em quarto no mesmo aparelho, no qual não costuma se sair bem. Na trave, no qual Flávia é especialista, o ouro ficou com ela (14,433), seguida por Rebeca (14,067).

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir