Cidadeverde.com
Economia

Indústrias do Piauí tiveram receita líquida de R$ 8 bilhões no primeiro ano de pandemia, diz IBGE

Imprimir

Foto: José Fernando Ogura/AEN-PR

As indústrias do Piauí com cinco ou mais pessoas empregadas registraram um aumento das suas receitas líquidas no primeiro ano da pandemia da covid-19. Enquanto em 2019 o valor gerado pelo setor no estado foi de R$ 5,9 bilhões, em 2020 o montante totalizou R$ 8,7 bilhões. 

Os números foram divulgados nesta quinta-feira (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base na Pesquisa Industrial Anual (PIA). Os dados mostram que apesar do incremento, a receita do setor industrial piauiense representa apenas 2,5% do valor nacional. 

Imagens: Reprodução/IBGE

Dessa forma, o Piauí permanece com a menor participação entre os estados do Nordeste. A maior proporção é da Bahia, que gerou cerca de 42% de toda a receita líquida da região em 2020.

Principais atividades

De acordo com a PIA, a fabricação de produtos alimentícios corresponde a 47,6% do Valor de Transformação Industrial (VTI) do Piauí em 2020, tornando-se assim a principal atividade industrial do estado.

A fabricação de bebidas aparece na segunda colocação com a geração de 17% do VTI, seguida pela metalurgia, com participação de 6,1% do VTI do estado. O Piauí gerou R$ 2,6 bilhões de VTI em 2020.

Impactos da pandemia

Apesar do aumento de receitas, as indústrias piauienses registraram baixas na quantidade de endereços de atuação e de trabalhadores. Das 36 unidades industriais saindo de atuação entre 2019 e 2020, o estado obteve queda de 2,9% no quantitativo.

Já o número de trabalhadores teve redução de -5,3%, o que significa dizer que quase 1,5 mil pessoas perderam seus postos de trabalho no período.

Havia 1,2 mil unidades locais – endereços de atuação das empresas – ativas em 2019, quantidade que caiu para 1,1 mil em 2020. O contingente de trabalhadores do setor era de 27,2 mil pessoas em 2019, tendo caído para 25,7 mil no ano seguinte.

A quantidade de pessoal ocupado registrada em 2020 é a menor dos últimos dez anos. O maior número de trabalhadores no setor foi registrado em 2013, quando havia 30,7 mil pessoas atuando em indústrias piauienses. Ou seja, cerca de 5 mil trabalhadores a mais do que em 2020 e número 19,4% maior.

Assim como em todo o país, as indústrias de transformação predominam em relação às indústrias extrativas no Piauí. Apenas 3,6% das unidades industriais piauienses eram extrativas, enquanto 96,4% eram indústrias de transformação em 2020. No Brasil, a proporção é de 2,1% de indústrias extrativas e 97,9% de indústrias de transformação.

Em 2020, havia 303,6 mil empresas em atuação no país, sendo 6,3 mil extrativas e 297,3 mil de transformação. Já no Piauí, do total de 1,1 mil unidades locais ativas, apenas 42 eram extrativas.

Breno Moreno (Com informações do IBGE)
[email protected]

Imprimir