Cidadeverde.com
Picos

Passagem dos pelotões em Desfile empolga população de Picos

Imprimir
  • dentro_6.jpg Paula Monize
  • dentro_10.jpg Paula Monize
  • dentro_9.jpg Paula Monize
  • dentro_3.jpg Paula Monize
  • dentro_2.jpg Paula Monize
  • dentro_7.jpg Paula Monize
  • dentro_8.jpg Paula Monize

O público de Picos acompanhou empolgado o tradicional Desfile Cívico 7 de Setembro, em comemoração aos 200 anos da Independência do Brasil. O Cidadeverde.com/picos entrevistou pessoas que estavam prestigiando o evento de resgate a cultura e ao patriotismo brasileiro.

O aposentado, Raimundo Siqueira Dantas, é um picoense apaixonado pelo Desfile Cívico de 7 de Setembro. O mesmo destacou que a espera pelo evento era grande tendo em vista a sua grande paixão pelo Exército Brasileiro.

"Todos os anos eu tò aqui acompanhando os Desfiles, eu gosto muito, me emociona. Sempre estou aqui para assitir o Exército, enquanto eu tiver vida eu venho. Infelizmente por causa da Covid estávamos distantes de tudo isso", frisou o aposentado.

Raimundo Siqueira

Entre os presentes que lotaram as arquibancadas estão a Natália Santana do Carmo e os três filhos Mirian, Lourimar e Levy. A família veio acompanhar o Desfile para prestigiar o patriarca que entrou no Pelotão da Banda de Música de Picos.

"Eu sempre procuro trazer os meus filhos para participar do Desfile Cívico de 07 de setembro. O pai deles desfilou e eles queriam muito vê-los. Eles estavam muito ansiosos, eu acho importante porque tem crianças que buscam seguir uma carreira militar", ressaltou.

Natália e os três filhos

O Desfile Cívico é também uma oportunidade para que as pessoas possam comercializar e garantir renda com a venda de produtos. Um destes exemplos é o Josué Leocrecio Silva, que aproveitou para vender água e algodão doce.

"Eu desde criança trabalho na rua e aproveito o Desfile para vender. Hoje trouxe algodão doce, água, mas a procura ainda tá pouca. Além disso, o espaço para gente se locomover estava bastante apertado nas arquibancadas, dificultando a locomoção", concluiu.

Paula Monize

[email protected]

Imprimir