Cidadeverde.com
Economia

Cresce a procura de empresas por aluguel de escritórios em São Paulo

Imprimir

Mais empresas procuram prédios corporativos de alto padrão para alugar na capital paulista, o que fez o percentual de espaços disponíveis em relação ao total diminuir para 23,2% no terceiro trimestre deste ano. No mesmo período do ano passado, esse índice era de 25,9%.

A melhora, no entanto, ainda reflete a paradeira das construtoras que, diante da retração do mercado, contiveram seus planos de lançamento de novos edifícios corporativos na capital devido à pandemia.

Dados da consultoria JLL, mostram que, no período considerado, a "absorção líquida" [de áreas em escritórios] foi de em 23,2 mil metros quadros -o equivalente a três campos do estádio do Maracanã.

O indicador, vale lembrar, é a diferença entre as devoluções de espaços e novas ocupações, uma espécie de saldo final. Entre o segundo trimestre de 2020 e o terceiro trimestre de 2021, esse indicador ficou negativo. Ou seja: houve mais devoluções do que ocupações de espaço.

Devido ao grande volume de entregas de edifícios na região da Berrini e da Chucri Zaidan, na zona Sul, há maior disponibilidade de escritórios -337,9 mil metros quadrados, o que torna as negociações muito mais favoráveis para os inquilinos.

Na Faria Lima, ocorre o contrário, porque a taxa de disponibilidade é 5,5%. Ou seja: as condições mais favoráveis estão do lado dos proprietários.

NOVOS EMPREENDIMENTOS

No relatório do terceiro trimestre, a consultoria Newmark -que monitora o mercado de construção de edifícios corporativos- afirma que a atividade construtiva nas regiões mais procuradas da capital pelas empresas segue em queda.

Essa tendência deve contribuir para uma redução mais rápida da oferta nos próximos meses, caso a demanda continue aquecida -o que acabará refletindo nos preços.

O estoque no trimestre foi de cerca de 7.000 metros quadrados, levando ao menor acúmulo (novos prédios e os que ainda estavam vagos) de espaço desde 2016.

Apesar do aquecimento na demanda, as consultorias do ramo registraram estabilidade nos preços por metro quadrado. Para a Newmark, está em R$ 88,27 por metro quadrado ao mês. A análise da JLL aponta R$ 89,6, e a Binswanger R$ 92,35.

Fonte: Folhapress/Julio Wiziack

Imprimir