Cidadeverde.com
Picos

XII Conferência da Criança e do Adolescente é realizada em Picos

Imprimir
  • dentro_10.JPG Paula Monize
  • dentro_7.JPG Paula Monize
  • dentro_3.JPG Paula Monize
  • dentro_2.JPG Paula Monize
  • dentro_6.JPG Paula Monize

Na manhã desta quarta-feira (07) foi realizada, em Picos, a XII Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. O evento que aconteceu no auditório do Centro Estadual de Educação Profissional Petrônio Portela reuniu representantes do judiciário, da gestão municipal e da sociedade civil organizada.

A abertura da Conferência foi marcada pela leitura do Regimento Interno e sua respectiva aprovação. Na ocasião, também foi ministrada palestra com a temática - A situação dos direitos humanos de crianças e adolescentes em tempos de pandemia da Covid-19: violações e vulnerabilidades, ações necessárias para reparação e garantia de políticas de proteção integral, com respeito à diversidade.

A programação ainda contou com a formação de grupos para elaboração de propostas a partir dos eixos temáticos que serão encaminhadas para a conferência estadual, além da escolha de delegados.

A presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), Carmelita Carmem, explicou que o evento é um chamamento para discussão e avaliação das políticas públicas voltadas para o público dentro do contexto de pós-pandemia.

"Essa Conferência é um convite, um chamamento para gente saber das crianças o que aconteceu pós-pandemia. Para depois agirmos, debater e deliberar políticas públicas para esse atendimento. Tem criança que ficou sem pai, sem mãe, sem avó, com depressão. Vamos buscar estratégias para que crianças e adolescentes tenham uma vida mais digna", frisou.

Carmelita Carmem - presidente do CMDCA

O conselheiro tutelar, Jenilso Antônio, destacou que a Conferência é importante para avaliar a atual política pública de atendimento à criança e ao adolescente.

" A Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente é um espaço de construção conjunta, coletiva, de discussão e de participação, tanto dos entes governados como da própria sociedade civil. É um espaço para construção de políticas públicas, tanto de avaliação, discussão, proposição e reformulação das políticas de atendimento à criança e ao adolescente", disse.

Jenilso Antônio - conselheiro tutelar

O juiz da 3ª Vara da Comarca de Picos, Geneci Benevides, ressaltou que inúmeros danos foram causados a este público em razão da pandemia.

"Esse evento é muito importante para justamente rever as políticas que estão sendo implementadas. Com o ato da pandemia muitas coisas se perderam, ficaram paradas, é bom para discutir novas ações justamente para acolher crianças e adolescentes, sobretudo as que são mais humildes", pontuou.

Juiz Geneci Benevides

Paula Monize

[email protected]

 

Imprimir