Cidadeverde.com
Esporte

Apático, Corinthians perde por 2 a 0 para o Sport

Imprimir
Sem a ambição pelo título e já classificado para a Copa Libertadores, o Corinthians perdeu por 2 a 0 para o Sport, neste domingo, 18, na Ilha do Retiro, no Recife. Na 30.ª rodada do Campeonato Brasileiro, o time se mostrou apático, sem criar chances de perigo, contra um adversário que luta para fugir da zona de rebaixamento. Além disso, parou nos pés de dois ex-jogadores do seu time: Arce e Wilson fizeram os gols.

Com o resultado, o Corinthians segue a cumprir tabela na competição, nas posições intermediárias da tabela, com 42 pontos. Do outro lado, o Sport chega 28 pontos, respira um pouco, mesmo assim, continua no grupo dos quatro piores. Antes mesmo do duelo começar, o técnico Péricles Chamusca contava com uma vitória em casa, o que seria apenas a sétima em toda a competição. "Esse é o cálculo para fugir do rebaixamento. Garantir 100% no Recife", disse.

Era o reencontro das duas equipes no estádio que foi palco da final da Copa do Brasil 2008. Diferentemente daquele jogo movimentado (vitória por 2 a 0 e título para o Sport, com pressão do Corinthians até o final), a partida dessa tarde se arrastou, com poucos lances de emoção.

Pressão mesmo somente no início da partida. Não demorou muito e os donos da casa tentaram partir para cima. Na velocidade de Arce e Wilson, o time chegou a criar boas oportunidades, mas quando a fase não é boa... Logo aos seis minutos, o primeiro desviou de cabeça para grande defesa de Felipe. Na sequência, o segundo entrou na frente e cortou o que poderia ser um bom chute de Fabiano.

Aos poucos, o Corinthians se arrumava em campo, mas sentia a falta de um homem na armação das jogadas, além de Ronaldo, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Com isso, Edno, o substituto do camisa 9, e Dentinho brigavam bastante com os zagueiros, sem levar perigo ao gol adversário.

A partir da metade do primeiro tempo, passes errados, lançamentos dispersos e chutes sem direção tomaram conta da partida. Nem mesmo a tradicional bandinha pernambucana, que toma conta das arquibancadas a cada jogo no Recife, era capaz de animar seus jogadores. Do lado dos paulistas, uma chance perdida com Edno já nos acréscimos e nada mais.

Quando o Sport teve tranquilidade para colocar a bola no chão, saiu o gol. Em lance isolado, aos 36 minutos, o boliviano Arce recebeu na entrada da área, passou pelo zagueiro William para soltar o pé, sem chances para Felipe. Foi o terceiro dele no Brasileirão.

Na saída para o intervalo, os corintianos foram questionar a atuação do árbitro Francisco Carlos Nascimento, sem esquecer que ficaram devendo uma boa atuação. "Ele inverteu faltas, deixou de marcar algumas, deu cartão para o William, mas a gente tem que voltar jogando mais também", disse o atacante Dentinho, apagado em campo, preocupado em revidar as entradas de Moacir e Andrade.

Ao observar a apatia do time, o técnico Mano Menezes optou por voltar com três atacantes, esquema tático que conquistou o Paulistão e a Copa do Brasil, no primeiro semestre. Marcelo Oliveira deu lugar a Henrique, com Jucilei deslocado para a lateral-direita. Já na metade do segundo tempo, desfez tudo e colocou Defederico no lugar de Edno, outro pouco acionado.



Se não deram certo, as substituições, ao menos, deram movimentação à equipe. Os paulistas ganharam a presença de Jucilei no ataque. O volante chegou a cabecear uma bola, que exigiu elasticidade do goleiro Magrão. Em outra jogada rápida, Henrique encontrou Dentinho dentro da área, mas a bola foi para fora.

Enquanto isso, os donos da casa aproveitavam as suas poucas chances. Mesmo com o adversário melhor em campo, foi o Sport quem ampliou o placar. Wilson arrancou pela direita, passou com facilidade por Balbuena e chutou entre Felipe e a trave para marcar.

A partir daí, o Sport se recuou por inteiro. Até mesmo os torcedores presentes ajudavam na marcação, com um assovio implacável a cada toque na bola dos adversários. Mesmo assim, Chicão batendo falta e, depois, em lance dentro da área, chegou a dar trabalho para Magrão.




Fonte: Estadão
Tags:
Imprimir