Cidadeverde.com
Política

Senadores pressionam Câmara a votar projetos de aposentadorias

Imprimir

O senador Mão Santa (PSC) conseguiu mobilizar vários parlamentares na sessão desta segunda-feira (05) no sentido de pressionar os deputados federais e principalmente o presidente da Câmara Federal, Michel Temer, a votarem os projetos que beneficiam os aposentados.
 
Mão Santa faz campanha permanente no Senado Federal contra as medidas do Governo Federal que reduziu os ganhos dos aposentados e pensionistas. Após o pronunciamento do senador piauiense, se manifestaram contra a demora na votação dos projetos os senadores Paulo Paim (PT-RS), Rosalba Ciarlini (DEM-RN), Garibaldi Alves Filho (PMDB – RN) e Geraldo Mesquita (PMDB – AC).
 
“Eu gostaria de externar também minha indignação, porque, infelizmente, os políticos, quando não cumprem sua palavra, estão contribuindo para o descrédito da classe política por parte da população. O Presidente da Câmara deu sua palavra de que colocaria os projetos em análise, mas, até agora, isso não aconteceu”, declarou a senadora Rosalba Ciarlini.
 
Atualmente, existem três propostas em aguardando apreciação pelos deputados federais: o PL nº 4.434/08, para recuperar das perdas nos vencimentos de aposentados, PL nº 1/07, que vincula o aumento das aposentadorias ao do reajuste do salário mínimo, e a PEC 555/06, que extingue a cobrança de contribuição previdenciária sobre proventos dos servidores públicos inativos.
 
O senador do PSC ainda pediu que o líder do Governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP) não decepcione os aposentados e busque a votação imediata das matérias. Mão Santa lembrou da reação feita por centenas de idoso em 2009 na Câmara Federal para que os projetos fossem votados.
 
“Porque não botam? A mídia, eles manipulam, o governo é forte. Mas já pensou os velhinhos todos de costas e o Líder falando? Eu vi! Então, Vaccarezza, Deus está lhe dando essa oportunidade. Aquilo ali foi a reação. Jefferson Praia, todos os velhinhos viraram as costas. Ameaçaram botar eles para fora da Câmara”, declarou Mão Santa.


[email protected]

Imprimir