Cidadeverde.com
Geral

Jovem é morto após confusão por carona em jogo de futebol

Imprimir

Por volta das 19 horas de terça (09), uma briga por conta de uma carona terminou em morte, no conjunto Bela Vista, zona Sul de Teresina. Após uma partida de futebol, dois jogadores discutiram por causa de uma carona e por conta disso o irmão de um deles, o mecânico Bruno das Chagas Silva, 20 anos, acabou assassinado.



O irmão da vítima, Jucifran das Chagas Soares da Silva, conhecido como Danilo, estava saindo do campo quando Danilo Loiola, vulgo Galo, pediu uma carona em sua moto. Eles começaram a discutir e o Jucifran fugiu, deixando a moto e levando a chave. O Galo teria quebrado o painel do veículo e Jucifran foi registrar o fato na delegacia.

“Ele estava muito agitado, como se quisesse vingança. Ele chamou o irmão dele, Bruno e mais duas pessoas para procurar por Galo”, disse o delegado Jorge Cley, titular do 10º DP.

O delegado explica que o grupo acabou encontrando o Galo que fugiu e houve uma perseguição. Num certo ponto ficou Bruno e Galo sozinhos. “Houve uma luta corporal e o Galo acabou furando Bruno”, afirmou o delegado.

O crime aconteceu na quadra 16 do conjunto Bela Vista I e o jogo estava acontecendo no loteamento Novo Bela Vista.



O Galo está foragido e já tinha passagens pelo 10º Distrito por roubo.

Versão da Família de Bruno

Manoel Monteiro da Silva, pai de criação do Bruno, contou uma versão diferente da polícia. Segundo ele, Galo estava bêbado quando pediu carona e como Jucifran não deu, o Galo pegou uma barra de ferro acertou na moto e depois no Jucifran. Ele voltou para casa e quando chegou em casa o irmão Bruno teria ouvido a história.



“Ele era doido pelos irmãos, ficou com muita raiva e foi atrás do Galo de bicicleta. Os dois se encontraram e começou a porrada. O Galo correu e pegou uma faca para matar Bruno. Esse Galo tem mais entrada na polícia do que na casa da mãe dele”, disse Manoel Silva.

O pai diz que o filho só vivia para trabalhar e era muito querido na região. Ele reclama da polícia e disse que se os agentes tivessem iniciado as investigações logo após a denúncia, seu filho ainda estaria vivo.


Flash de Carlos Lustosa Filho
Redação Caroline Oliveira
[email protected]

Imprimir