Cidadeverde.com

Incêndio no Morro do Leme em Oeiras é criminoso, diz prefeito Zé Raimundo

  • oeiras3.jpg Lameck Valentim e Internautas
  • oe6.jpg Lameck Valentim e Internautas
  • oe5.jpg Lameck Valentim e Internautas
  • oe4.jpg Lameck Valentim e Internautas
  • oe3.jpg Lameck Valentim e Internautas
  • oe2.jpg Lameck Valentim e Internautas
  • oe1.jpg Lameck Valentim e Internautas

Um incêndio atingiu o Morro do Leme, ponto turístico em Oeiras, no início da noite de ontem (10) e assustou à população que mora no entorno da área.

Como o fogo estava na parte de cima do morro, o incêndio era visto pela população em vários bairros da cidade. O prefeito de Oeiras, José Raimundo de Sá Lopes garantiu ao Cidadeverde.com que o incêndio é criminoso. 

Segundo relato de moradores, o incêndio teve início por volta das 17h e se alastrou rapidamente, devido a vegetação seca. Grande parte do Morro, que fica no bairro Oeiras Nova, foi  atingido. 

O Morro do Leme é um dos principais cartões postais de Oeiras. Lá fica a imagem de Nossa Senhora da Vitória, padroeira de Oeiras e do Piauí.

A cidade não dispõe de grupamento do Corpo de Bombeiros. A Gerência Municipal de Meio Ambiente foi acionada e enviou um carro-pipa ao local para controlar as chamas.

Por volta das 21h as chamas foram contidas. Ninguém ficou ferido.

O prefeito Zé Raimundo disse que há uma cultura de queimada de entulho na região e isso pode ter favorecido ao incêndio.

"Todo ano acontece isso. É um incêndio criminoso, que atingiu a vegetação que está seca e não teve nenhum prejuízo material ou comprometimento da estrutura da estátua. As torres de comunicação foram desligadas por precaução", disse o prefeito.

Ele informou que próximo ao morro tem um posto de combustível e houve uma preocupação para evitar a propagação do fogo até lá.

"Colocamos brigadistas de plantão no posto de combustível para evitar qualquer incidente", disse.

O prefeito informou que o município trabalha com brigadistas treinados e que não tem sede do Corpo de Bombeiros. Em caso de incêndio de grandes proporções é chamado os bombeiros de Picos ou Floriano.

"Os brigadistas não são suficientes, mas o projeto do Corpo de Bombeiro para Picos está adormecido em alguma gaveta na Assembleia Legislativa e o estado não tem condições neste momento de instalar uma corporação no município", disse o prefeito.

Zé Raimundo alerta ainda que as queimadas devem ser evitadas, principalmente nesse período de altas temperaturas e que o entulho é um adubo natural para a vegetação da região. 

 


Flash Yala Sena
yalasena@cidadeverde.com