Cidadeverde.com

Cemitério do Santíssimo Sacramento, em Oeiras, será revitalizado e aberto à visitação turística

O prefeito José Raimundo anunciou nesta terça-feira, 18, a revitalização do cemitério do Santíssimo Sacramento. No espaço, construído em 1865, estão sepultadas importantes personalidades da história e cultura de Oeiras, como o poeta Nogueira Tapety, Major Selemérico e oeirenses que participaram de conflitos históricos, como a Guerra do Paraguai e a Batalha do Jenipapo.

“A revitalização transformará este espaço num ponto de visitação turística e será mais um ganho para o município. Isso já acontece em outras partes do mundo, como Argentina, França, Inglaterra, Estados Unidos, onde os cemitérios fazem parte dos roteiros turísticos. Então, nós queremos também com que esse espaço se torne um ponto de visitação turística da nossa cidade”, comenta Zé Raimundo.

O projeto de restauração e qualificação do cemitério será executado por uma equipe multidisciplinar, liderada pela arquiteta oeirense, Jamyla Fernanda, que estuda o lugar desde a academia. “Sempre quis fazer voltado para minha cidade e, no final do curso, tive certeza que seria algo voltado para o patrimônio. Então, resolvi fazer esse projeto para o cemitério do Santíssimo Sacramento com intuito de torna-lo o novo ponto turístico da cidade, sempre respaldada nas questões do restauro, com a mínima intervenção, respeitando tudo que tem aqui. A ideia é que os oeirenses possam conhecer um pouco mais da cidade, através do cemitério”, explica a arquiteta.

“Os melhoramentos vão ser voltados para as lápides, para a capela e muro. Nesse restauro queremos trazer pontos de parada, que seriam contemplação, onde a pessoa possa realmente vir ao cemitério e contemplar este espaço, como acontece em outros lugares. Além disso, teremos um caminho, onde as pessoas com mobilidade reduzida possam também conhecer todo o espaço cemiterial e ainda melhorar a iluminação, para quem sabe incluir um roteiro noturno no cemitério”, acrescenta Jamyla Fernanda.

Entidades de proteção e preservação do patrimônio histórico, como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e Instituto Histórico de Oeiras, serão parceiras da Prefeitura Municipal municipal nesse processo. O secretário municipal de Cultura e Turismo, Stefano Ferreira, pontua que, em breve, o cemitério do Santíssimo Sacramento será reaberto ao público e inserido no roteiro de visitação turística da cidade.

“A arquiteta Jamyla, que é oeirense, fez um trabalho de requalificação e restauro do cemitério no TCC do curso de Arquitetura e hoje está sendo dado um pontapé inicial para um processo de interpretação deste patrimônio. Na verdade, o que se pretende é que esse processo aconteça de forma multidisciplinar, com vários profissionais que vão trabalhar nesse espaço, e o município já sinaliza a intenção de reabrir o espaço dentro de um roteiro turístico, mas isso vai acontecer com um trabalho de educação de patrimonial. A partir de agora, este espaço vai receber um olhar, será feito um inventário da coleção que ainda resta neste cemitério tão importante e, em seguida, serão feitas as ações de restauro para que, em breve, ele possa ser aberto e possa integrar o roteiro turístico da cidade de Oeiras”, pontua Stefano Ferreira.

Através de projeto de lei, o vereador Espedito Martins propõe, na Câmara, a criação de uma política municipal de manutenção e conservação dos cemitérios públicos para que os campos santos sejam avaliados, anualmente, por Comissão Multidisciplinar de Infraestrutura e representantes de setores alguns segmentos da sociedade. “Acredito que seja um projeto de grande interesse cultural e histórico para o nosso município”, comenta o vereador, acrescentando que o projeto entrará em tramitação na Câmara Municipal no início de março.  

“O cemitério do Santíssimo Sacramento é uma importante página na história do Piauí, haja vista que ali estão sepultadas importantes personalidades que participaram de eventos notáveis, a exemplo da Guerra do Paraguai”, resume o professor Júnior Vianna, presidente do Instituto Histórico de Oeiras.

Da Redação
[email protected]